PUBLICIDADE
Topo

Alain Delon diz que já foi assediado por mulheres: "Aceitei, fiquei contente"

A atriz Ann-Margret e o ator Alain Delon em cena de "A Marca de um Erro" - Reprodução
A atriz Ann-Margret e o ator Alain Delon em cena de "A Marca de um Erro" Imagem: Reprodução

Paris (França)

21/09/2018 18h41

O ator Alain Delon, uma das grandes figuras do cinema francês, confessou nesta sexta-feira (21) ter sido assediado por várias mulheres durante sua juventude.

"O assédio não nasceu com o produtor Harvey Weinstein. Eu fui vítima de assédio quando era mais jovem. Houve duas ou três mulheres que se atiraram em cima de mim. Aceitei, fiquei contente, e não chamei a polícia", revelou o ator em entrevista concedida ao jornal "Le Monde".

Delon, de 82 anos, ressaltou que o escândalo dos abusos sexuais começou com as denúncias contra Weinstein está ligado à questão da autoridade.

"Ele é o chefe com 12 secretárias, das quais três o excitam. Merecia um bom tapa, mas além disso, não se pode negar que há mulheres que vão te atirar um vaso e outras que vão aceitar", acrescentou.

O ator, um dos galãs mais famosos do cinema nos anos 60, ressalta que foram as mulheres que o levaram à exercer a profissão. "Cheguei a este ramo graças às mulheres", comentou Delon, que lembra que queria ver que para elas ele era "o mais bonito, o maior, o mais forte".

O ator Alain Delon - Reprodução - Reprodução
O ator Alain Delon
Imagem: Reprodução

Desde então, consolidou uma longa carreira com filmes clássicos como "Rocco e Seus Irmãos" (1960), "O Sol por Testemunha" (1960) e "O Leopardo" (1963).

Delon também confirmou ao "Le Monde" sua intenção de não voltar a atuar, algo que já tinha comentado em maio deste ano.

"Tenho uma carreira tão excepcional que não quero mais fazer filmes. Os cineastas com os quais poderia trabalhar já morreram. Parei há dez anos com "Asterix". Não vejo o que poderia me fazer participar de um filme. Em todo caso, teriam que me apresentar uma história de sonho", explicou.

Seu único lamento, afirmou, foi nunca ter trabalhado em um filme dirigido por uma mulher: "Disse isso a todo mundo, e ninguém se moveu. Devem ter medo", concluiu o ator, que adiantou que quer que sua aposentadoria definitiva seja com a obra de teatro "Le  crépuscule  d'un fauve", de Jeanne  Fontaine.

Delon, que há um ano passou por uma cirurgia devido a um problema cardíaco, disse que espera a estar totalmente recuperado fisicamente antes de subir ao palco, o que fará "muito em breve".