Topo

Música

Família de Prince processa médico que receitou remédios ao cantor

Reprodução
Prince em cena de "Purple Rain" Imagem: Reprodução

Los Angeles (EUA)

24/08/2018 22h09

A família de Prince, que morreu em 2016 aos 57 anos, denunciou nesta sexta-feira (24) um médico que tratou o cantor por sua dependência de opiáceos e que supostamente lhe proporcionou vários remédios sem a receita adequada pouco antes de morrer, segundo informou a emissora "ABC".

O processo apresentado em uma corte federal de Minnesota, nos Estados Unidos, acusa o médico Michael Todd Schulenberg de negligência quando atendeu o criador de "Purple Rain", que morreu em consequência de uma overdose do opiáceo fentanil.

"Falhou na hora de avaliar, diagnosticar, tratar e aconselhar apropriadamente Prince por sua reconhecível dependência de opiáceos e, além disso, falhou na hora de adotar medidas apropriadas e razoáveis para prevenir o previsivelmente fatal resultado dessa dependência", assegura a denúncia.

"Estes desvios do padrão da prática médica aceitável tiveram um papel substancial em propiciar a morte de Prince", acrescenta.

O médico se defendeu hoje por meio de um comunicado de seu advogado, que assegurou que o processo carece de fundamento e que seu cliente demonstrará que suas ações foram corretas.

No último mês de abril, a família de Prince denunciou também um hospital de Illinois (EUA) que atendeu Prince uma semana antes de sua morte.

O médico Michael T. Schulenberg ganhou importância dentro do caso sobre a morte de Prince quando os investigadores encontraram na residência do músico vários medicamentos que não estavam receitados em nome do artista.

Vince Bucci/Getty Images
O cantor Prince, que morreu em 2016 Imagem: Vince Bucci/Getty Images


Prince recebia estes remédios através de uma rede de amigos e conhecidos, entre os quais estava Kirk Johnson, encarregado da segurança de sua equipe.

Schulenberg foi quem assinou as receitas para estes medicamentos sem fentanil e disse que fez isso para "proteger a privacidade de Prince".

Em abril, o escritório do promotor do condado de Carver (Minnesota) anunciou que não seriam apresentadas acusações pela morte de Prince já que, após quase dois anos de investigação, não tinham "suficientes provas" para indiciar ninguém.

As autoridades admitiram que não puderam determinar como o fentanil chegou às mãos de Prince, já que o músico não tinha prescrição médica para sua posse, e apontaram como hipótese que o cantor tenha morrido ao consumir por engano Vicodin falso que, na realidade, continha fentanil.

Nessa mesma entrevista coletiva, o promotor garantiu que Schulenberg examinou Prince e lhe proporcionou pastilhas de Percocet, que não tiveram nada a ver com a morte do artista.

Schulenberg chegou então a um acordo com as autoridades federais pelo qual pagou US$ 30.000 de multa.