PUBLICIDADE
Topo

Sem superpoderes, Henry Cavill encara morte de perto em "Missão: Impossível"

Cena do filme "Missão: Impossível - Efeito Fallout" - Divulgação
Cena do filme "Missão: Impossível - Efeito Fallout" Imagem: Divulgação

Miami (EUA)

27/07/2018 20h28

Sem os superpoderes com os quais estava acostumado no papel de Super-Homem, Henry Cavill teve que enfrentar perseguições em precipícios e encarar a morte de perto no longa "Missão: Impossível - Efeito Fallout", que estreou no Brasil nesta quinta-feira (26).

No sexto filme da sequência protagonizada por Tom Cruise, dirigido por Christopher  McQuarrie, Cavill interpreta o agente da CIA August Walker, que desperta a desconfiança de Ethan  Hunt e sua equipe.

"Seja nos helicópteros, pendurado nos precipícios, ou nas lutas entre nós. Seja o que for, é tudo real e a complexidade disto é evidente. Não houve tempo para ter medo, mesmo nos cenários mais perigosos, Me concentrei em não cometer nenhum erro, porque se você fizer algo errado pode acabar estragando a atuação perfeita de algum outro ator", explicou.

O britânico contou que curtiu muito as cenas de luta e perseguições que, segundo ele, foram muito diferentes das que fazia nos filmes de super-herói.

"É muito diferente porque, normalmente, quando filmamos personagens com superpoderes ou capacidades além das possibilidades humanas, haverá efeitos especiais. Foi muito mais intenso", disse.

Aos 35 anos, Cavill falou sobre como o condicionamento físico dos atores foi importante durante as filmagens.

"O condicionamento físico é fundamental. É o que torna esse filme divertido também, a parte intensa fisicamente. Tom Cruise tem muita experiência neste tipo de cenas. Vou usar o que aprendi com ele nos meus próximos filmes", revelou.


Tom Cruise é o protagonista da saga desde 1996 e, aos 56 anos, é famoso por não aceitar dublês nas cenas desde o primeiro filme, o que acabou lhe rendendo um pequeno acidente durante as filmagens do sexto longa, quando quebrou o tornozelo após um salto mal calculado entre os prédios londrinos.

As filmagens feitas em Paris, Londres e na região da Caxemira serviram como um verdadeiro treinamento para Cavill que, inclusive, acabou se empolgando com as cenas e queria arriscar mais. Porém, foi desencorajado por Tom Cruise. Por uma questão de segurança, para ambos.

"Havia uma cena que eu queria fazer parte. Cheguei para Tom e disse: 'eu também posso fazer!'. Ele agradeceu, disse que ele sentiria o mesmo no meu lugar, mas que eu não tinha experiência para executar. Falou que, seu eu fizesse, haveria muitas chances de acabarmos nos matando, e poderíamos não terminar o filme, o que não seria legal", brincou.

Ao longo do filme, os riscos vão aumentando e o personagem de Cavill segue evoluindo, o que exigiu bastante do ator britânico.

"No filme, meu personagem está constantemente mudando, e o jeito de contar a história de McQuarrie é de que as coisas nunca estão resolvidas ou fechadas, sempre está aberto a mais criatividade", afirma.

Sem ter preferências por mocinhos ou vilões, e sem entregar as intenções do agente August Walker, Cavill agradeceu pela oportunidade de fazer parte de uma das franquias de ação mais prestigiadas do cinema.

"Eu gosto de fazer os dois tipos de papéis, me divirto muito. E é um privilégio ter feito parte deste sexto filme. Foi uma experiência que eu aproveitei muito. E eu repetiria em qualquer momento", concluiu.

Tom Cruise, Simon Pegg, Angela Bassett e Henry Cavill falam sobre "Missão Impossível: Efeito Fallout" na CinemaCon, em Las Vegas - Chris Pizzello/Invision/AP - Chris Pizzello/Invision/AP
Tom Cruise, Simon Pegg, Angela Bassett e Henry Cavill falam sobre "Missão Impossível: Efeito Fallout" em Las Vegas
Imagem: Chris Pizzello/Invision/AP