PUBLICIDADE
Topo

Cem mil pessoas participam de procissão em memória de czar assassinado

17/07/2018 07h36

Moscou, 17 jul (EFE).- Cem mil pessoas participaram nesta terça-feora de um procissão em memória do último czar russo Nicolau II e sua família em Yekaterimburgo, cidade russa nos Urais, onde há cem anos foram assassinados pelos bolcheviques, informaram as autoridades locais.

A procissão, liderada pelo patriarca da Igreja Ortodoxa russa, Kirill, e o governador regional, Yevgueni Kuivashev, começou na Catedral do Sangue Derramado, construída no local do casarão em cujo porão foi fundida a família imperial.

Após percorrer 21 quilômetros, os participantes do ato religioso chegaram à cidade de Ganina Yama, onde os executores de Nicolau II e sua família transferiram os corpos.

"Depois desta dura e amarga experiência, devemos criar uma reação firme de rejeição a toda ideia e a todo líder que propuser avançar para um futuro novo, desconhecido e feliz mediante uma ruptura com o nosso modo de vida, com as nossas tradições e com a nossa fé", disse Kirill aos fiéis antes do início da procissão.

Segundo uma pesquisa publicada na segunda-feira, mais da metade dos russos, 57%, consideram que o fuzilamento de Nicolau II, de sua esposa, de seus cinco filhos e de quatro funcionários foi um "crime monstruoso".

Enquanto isso, quase uma terceira parte acredita que o imperador merecia ser castigado, mas não dessa forma tão cruel.

E apenas 3% acham que o fuzilamento de Nicolau II e de sua família foi "um justo castigo pelos erros do imperador".