Topo

Entretenimento

Morre poeta americano Donald Hall aos 89 anos

24/06/2018 19h16

Washington, 24 jun (EFE).- O poeta Donald Hall, uma voz bucólica que retratou com singeleza a vida rural nos Estados Unidos, morreu no sábado aos 89 anos em sua casa em Wilmot (New Hampshire), informou neste domingo Wendy Strothman, sua agente literária.

Nascido em 1928 em Hamden (Connecticut), Hall publicou ao longo de sua vida mais de 50 livros, desde a poesia ao drama, passando por biografias e livros infantis.

Era um autêntico amante do beisebol e chegou a escrever dois livros sobre o esporte: "Dock Ellis in the Country of Baseball" (1976), um retrato lírico sobre o jogo, e "Fathers Playing Catch With Sons" (1985).

Hall foi casado durante 23 anos com a poetisa Jane Kenyon, que morreu em 1995 e a quem homenageou nas coleções "Without" (1998) e "The Painted Bed" (2002).

Em "Without", o escritor retrata a morte da sua esposa aos 47 anos por leucemia, enquanto "The Painted Bed" se aprofunda nos sentimentos de perda causados morte.

"Grande parte da minha poesia foi elegíaca, inclusive mórbida, começando com lamentos sobre as fazendas de New Hampshire e seguindo até a morte da minha esposa", escreveu Hall no livro de memórias "Packing the Boxes", publicado em 2008.

Hall alcançou o seu esplendor como poeta no final dos anos 40 e nos anos 50, quando publicou obras como "Exiles and Marriages" (1955) e "The New Poets of England and America" (1957), que escreveu junto aos poetas Robert Pack e Louis Simpson.

Foi finalista para o prêmio Pulitzer em 1989 pelo livro "The One Day" (1988), que acabou recebendo o Prêmio do Círculo de Críticos Nacionais do Livro, um dos mais importantes da literatura anglo-saxã.

Em 2010, o ex-presidente Barack Obama (2009-2017) entregou a Hall a Medalha Nacional das Artes, que serve para reconhecer o trabalho de quem se sobressai nessa área.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento