Topo

Filmes e séries

Cannes denuncia intimidações de ex-produtor contra exibição de filme

Divulgação
Adam Driver e Jonathan Price em cena do filme "The Man Who Killed Don Quixote" Imagem: Divulgação

Paris (França)

30/04/2018 13h33

O Festival de Cannes se posicionou nesta segunda-feira (30) a favor do diretor britânico Terry Gilliam na polêmica com o ex-produtor Paulo Branco e denunciou as "intimidações" deste para que "The Man Who Killed Don Quixote" não seja exibido no encerramento do evento.

A Alfama Films, controlada por Branco e antiga produtora do projeto de Gilliam, recorreu ao júri para proibir a exibição do filme porque, na sua opinião, "viola os direitos de divulgação da obra".

A organização de Cannes garantiu que não agiu superficialmente quando decidiu incluir o filme na seleção oficial e denunciou que Branco está deixando que o seu advogado "proceda a intimidações e afirmações difamatórias tão irrisórias como grotescas".

O festival, segundo o comunicado assinado pelo presidente, Pierre Lescure, e pelo delegado geral, Thierry Frémaux, "respeitará a decisão" do júri que resolverá esta situação no dia 7 de maio, "seja ela qual for", mas reiterou o apoio a Gilliam.

Os representantes do evento destacaram que os advogados de Branco prometeram uma "derrota desonrosa" e responderam que a única derrota "seria ceder à ameaça".

Lescure e Frémaux comentaram que, quando o filme foi apresentado, Branco os informou sobre o litígio com o cineasta britânico, após o rompimento da relação profissional na fase de pré-produção.

Em nota, lembraram que este tipo de caso é frequente e que a sua única missão é selecionar os filmes "sob critérios puramente artísticos".

Quando os organizadores decidiram que "The Man Who Killed Don Quixote" encerraria o festival no dia 19 de maio, fora de competição, "nada se opunha à projeção".

"Portanto, não agimos superficialmente", acrescentaram Lescure e Frémaux, que lembraram que Branco denunciou há anos que o festival não cumpriu a promessa de exibir um de seus filmes. Cannes argumentou "não promete", e sim "seleciona ou não".

Os representantes do festival, cuja 71ª edição começará em 8 de maio, reiteraram que "os artistas necessitam mais que nunca que sejam defendidos, não atacados".

Nessa linha, exemplificaram que neste ano apostaram no iraniano Jafar Panahi e no russo Kirill Serebrennikov, dois diretores que, em princípio, não poderão comparecer à exibição dos próprios filmes por problemas com a justiça de seus países.

O comunicado afirma que a exibição do filme de Gilliam fica submetida à decisão judicial, que é aguardada "com tranquilidade".

O filme acumula um rastro de dificuldades desde que foi idealizado, há 17 anos, como problemas de financiamento e doenças de alguns dos antigos protagonistas.

O longa-metragem, "um clássico conto de fadas e aventuras inspirado no lendário protagonista literário de Miguel de Cervantes", segundo os produtores, é protagonizado por Jonathan Pryce no papel de Dom Quixote e conta com Adam Driver, Olga Kurylenko, Joana Ribeiro, Stellan Skarsgard, Rossy de Palma e Sergi López no elenco.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!