PUBLICIDADE
Topo

Música tenta se mostrar mais forte que as armas no Afeganistão

Ahmad Naser Sarmast lidera o instituto nacional de música do Afeganistão - Reuters
Ahmad Naser Sarmast lidera o instituto nacional de música do Afeganistão Imagem: Reuters

Da EFE

Em Cabul (Afeganistão)

07/03/2018 06h01

A música desafia as crenças mais conservadoras e as ameaças dos talibãs no Instituto Nacional de Música do Afeganistão (ANIM), um oásis que mudou as vidas de meninos e meninas necessitados, e que está permitindo recuperar a tradicional música afegã após décadas de sufoco.

Naria era muito pequena quando se apaixonou pela música. Seu avô Wanj, um harpista tradicional, lhe abriu a porta e acendeu a faísca da sua paixão musical.

Em 2011 os seus pais decidiram tirá-la de seu pequeno povoado da oriental província de Nuristan e mandá-la a Cabul para que ingressasse no ANIM, um instituto único do seu tipo na história do Afeganistão.

Sua admissão no ANIM não só não foi motivo de orgulho na sua cidade, como também suscitou a rejeição de muitas pessoas que consideram a música um pecado.

"Os aldeões nos disseram que aprender música era um pecado proibido pela religião e me pediram que a deixasse", disse à Agência Efe Nazira, hoje com 18 anos e que desde então não voltou a uma aldeia na qual só se escuta e se toca música na escuridão da noite, fora do alcance dos extremistas.

As ameaças dos fundamentalistas fizeram com que sua família se mudasse finalmente a Cabul no ano seguinte, mas o que não puderam foi impedir que a jovem crescesse como uma talentosa violoncelista.

Nazira foi selecionada como primeira violoncelista da Orquestra Zohra do instituto, estabelecida em 2016 e a primeira na história do país integrada unicamente por mulheres.

Até agora, a jovem se apresentou em 30 países, entre eles palcos de lugares tão importantes como o Carnegie Hall de Nova York e o Kennedy Center em Washington.

Ela e suas companheiras não são as primeiras em suas famílias a aprender a tocar um instrumento, mas sim as primeiras em 30 anos.

A música fez parte da riqueza cultural do Afeganistão durante séculos e nos anos 80 dúzias de orquestras povoavam o país, mas, com a guerra civil nos 90 e a chegada dos talibãs ao poder em 1996, foi proscrita.

Os extremistas talibãs foram particularmente duros durante seu governo de cinco anos no país, castigando a quem escutasse música e inclusive quebrando as mãos dos músicos quando eram "flagrados" tocando.

"Ninguém tinha o direito de tocar, escutar ou aprender música com os talibãs", declarou à Efe Ahmad Sarmast, hoje diretor do ANIM e um dos primeiros a retornar ao país quando aconteceu a queda dos fundamentalistas em 2001 com a invasão dos Estados Unidos.

Embora a mentalidade dos talibãs seja forte nas partes mais conservadoras da sociedade, a música trouxe mudanças positivas à sociedade e agora mais famílias permitem que suas filhas aprendam música, inclusive em províncias afastadas e pouco desenvolvidas.

"Isto é uma mudança para bem", comentou Sarmast.

O instituto passou de ter apenas uma menina em 2010 para 75 em 2017, de um total de 250 alunos, a metade deles meninos de rua, filhos de famílias pobres e órfãos que antes de fazer parte do ANIM tinham uma "vida dura", segundo Sarmast.

Seu trabalho foi inclusive reconhecido com o Prêmio Polar de Música, considerado o Nobel da música, junto com a banda americana Metallica.

"Tentamos mudar suas vidas com a música", indicou Sarmast, ao assinalar que estudantes talentosos como Nazira seguirão a tarefa como professores.

Os talibãs, por sua vez, não perdoam essa afronta.

Em 2014 este grupo insurgente atacou um espetáculo teatral no qual os jovens da orquestra faziam a música de uma peça na qual se representava um ataque suicida em Cabul.

Uma explosão fez com que 14 dos presentes morressem e o próprio Sarmast ficou seriamente ferido.

"A explosão fez com que a peça tornasse uma obra de verdade", comentou.

Mas, apesar do ataque, nem uma só família retirou seus filhos do instituto.

"Essa foi sua resposta ao extremismo", concluiu um orgulhoso Sarmast.