Topo

Entretenimento

Casey Affleck não apresentará Oscar de melhor atriz após polêmica por assédio

25/01/2018 20h14

Los Angeles (EUA), 25 jan (EFE).- O ator Casey Affleck, ganhador do Oscar de melhor ator em 2017 por "Manchester à Beira-Mar" (2016), não entregará este ano a estatueta à melhor atriz, como é tradição, após os últimos protestos lembrando que o intérprete esteve envolvido em um caso de assédio sexual.

O veículo de informação especializado "Deadline" informou nesta quinta-feira que Affleck comunicou à Academia de Hollywood que, diante de uma possível controvérsia por sua participação na cerimônia, decidiu não apresentar o prêmio à melhor atriz, nem comparecer ao evento que acontecerá em 4 de março no Teatro Dolby em Los Angeles.

A decisão do ator foi tomada em meio ao escândalo que vem sacudindo Hollywood nos últimos meses por informações e denúncias constantes de casos de agressão sexual a mulheres no mundo do espetáculo.

Os movimentos "Me Too" (Eu Também) e "Time's Up" (Acabou o Tempo) incentivaram as vítimas a denunciarem seus casos de abuso e assédio sexual e exigiram respeito às mulheres.

Affleck foi protagonista de uma polêmica no Oscar do ano passado, no qual era favorito ao prêmio de melhor ator e finalmente conquistou a estatueta, mesmo depois que os meios de informação resgataram um suposto episódio de assédio sexual durante a filmagem de seu falso documentário "Eu Ainda Estou Aqui" (2010).

No caso, que foi solucionado com um acordo entre acusação e defesa, a produtora Amanda White e a diretora de fotografia Magdalena Gorka denunciaram Affleck, que rejeitou as alegações contra ele.

A controvérsia, no entanto, não atrapalhou o caminho de Affleck ao Oscar, o que também levantou suspeita de racismo, já que muitos viram favorecimento ao ator branco frente ao afro-americano Nate Parker, diretor e protagonista de "O Nascimento de Uma Nação" (2016), que caiu no ostracismo no ano passado após a revelação de um antigo caso de agressão sexual.

Depois do escândalo envolvendo o produtor Harvey Weinstein, acusado por dezenas de casos de agressão sexual, numerosas revelações do mesmo tipo atingiram artistas como Kevin Spacey, Dustin Hoffman, James Franco, Brett Ratner, John Lasseter, Louis C.K. e Bryan Singer.

No dia 7 de janeiro, durante a celebração da 75ª edição do prêmio Globo de Ouro, a cerimônia ficou marcada pelos protestos contra o assédio sexual às mulheres em Hollywood. Os artistas desfilaram com roupas pretas no tapete vermelho como forma de denúncia e muitos deles usavam broches com a frase "Time's Up".
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento