Topo

Entretenimento

Rei da Suécia entregará amanhã os prêmios Nobel em Estocolmo

09/12/2017 11h59

Carmen Rodríguez.

Estocolmo, 9 dez (EFE).- Alfred Nobel morreu em 10 de dezembro de 1986, razão pela qual amanhã, como estabelece a tradição, o rei Carlos Gustavo da Suécia entregará em Estocolmo os prêmios que levam o nome do inventor sueco, que neste ano reconhecem uma das maiores descobertas dos últimos anos: as ondas gravitacionais.

O monarca, acompanhado da rainha Sílvia, conduzirá a cerimônia de Estocolmo da qual participarão também no palco a princesa herdeira Vitória e seu marido, o príncipe Daniel.

O trabalho da sociedade civil contra as armas nucleares; a força emocional do escritor Kazuo Ishiguro; a observação de biomoléculas graças à crio-microscopia eletrônica; as pesquisas sobre o relógio interno do corpo e os avanços na economia comportamental completam a relação de premiados.

No entanto, esse grande dia começará realmente em Oslo, onde o criador do prêmio estipulou que fosse entregue o Nobel Paz, que neste ano reconhece o trabalho da Campanha Internacional para a Abolição das Armas Nucleares (ICAN) por seus esforços inovadores para conseguir sua proibição.

As comemorações se transferirão depois ao Konsethus (sala de concertos) de Estocolmo, que recebe a cerimônia desde 1926, e onde quase 1.600 convidados se encontrarão às 16h30 (horário local, 13h30 de Brasília) para homenagear os premiados nas categorias de Medicina, Física, Química, Literatura e Economia.

Nesta ocasião, e pelo segundo ano consecutivo, entre os premiados que subirão ao centro do palco para receber o prêmio das mãos do monarca não haverá nenhuma mulher.

O Nobel de Física distingue, nessa ocasião, os americanos Rainer Weiss, Barry C. Barish e Kip S. Thorne por suas contribuições "decisivas" na implementação do observatório astronômico LIGO, para detectar as ondas gravitacionais.

A excelente sensibilidade e força emocional do britânico de origem japonesa Kazuo Ishiguro serão reconhecidas com o prêmio de Literatura, enquanto o de Economia ficará com o Richard Thaler por seu trabalho pioneiro em economia comportamental.

O Nobel de Medicina premia os americanos Jeffrey Hall, Michael Rosbash e Michael Young por suas descobertas sobre os ritmos circadianos de corpo; e o de Química vai para o suíço Jacques Dubochet, o alemão-americano Joachim Frank e o britânico Richard Henderson pelo desenvolvimento da crio-microscopia eletrônica.

Durante a cerimônia, os premiados, que serão brevemente apresentados, receberão das mãos do rei uma medalha, um diploma e um certificado monetário de 9 milhões de coroas suecas (equivalente a US$ 1,1 milhão).

O ato de entrega é regido por um restrito protocolo, que prevê que os premiados recebam o prêmio, realizem uma reverência ao rei, outra aos membros da Academia Sueca e uma terceira ao público, após o que devem retornar ao seu lugar no palco.

Os discursos de aceitação foram realizados ao longo desta semana na capital sueca, razão pela qual os premiados só voltarão a tomar a palavra após o banquete em sua homenagem para realizar um breve agradecimento.

A sala de concertos estará adornada com milhares de flores enviadas da cidade italiana de San Remo, onde Nobel morreu, que se encarrega também da decoração do Salão Azul da Câmara Municipal de Estocolmo.

Será ali onde, após a entrega de prêmios, a família real receberá os premiados e os convidados para um banquete de gala que porá o ponto final nas comemorações.
 

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento