Entretenimento

Filme de Guillermo del Toro conquista Leão de Ouro no Festival de Veneza

09/09/2017 17h42

Alicia García de Francisco.

Veneza (Itália), 9 set (EFE).- O Festival de Veneza premiou neste sábado o cinema fantástico do mexicano Guillermo del Toro, que levou o Leão de Ouro por "The Shape Of Water", enquanto o francês Xavier Legrand triunfou com "Jusqu'à la garde", com os prêmios de melhor direção e melhor obra-prima.

As Copas Volpi de interpretação foram para Charlotte Rampling ("Hannah") e Kamel El Basha ("The Insult") e o Grande Prêmio do Júri para "Foxtrot", do israelense Samuel Maoz.

Del Toro era um dos favoritos da noite e confirmou os prognósticos com o primeiro Leão de Ouro para um cineasta mexicano, como ele destacou ao receber o prêmio.

"Há um momento na vida de um narrador, de um contador de histórias, em que se arrisca todo para fazer algo diferente", disse o diretor.

"The Shape Of Water" é um conto cheio de doçura e fantasia que conta à priori impossível relação entre uma mulher muda e uma criatura marinha metade monstro e metade homem com escamas.

Com voz trémula e visivelmente emocionado, Del Toro quis dedicar o prêmio a "cada jovem diretor latino-americano que sonha em fazer algo no gênero da fantasia".

Também era previsível a Copa Volpi de melhor atriz para a britânica Charlotte Rampling por uma complexa interpretação de uma mulher contemplativa e quase silente, isolada do mundo, em "Hannah", do italiano Andrea Pallaoro.

Já a Copa Volpi de melhor ator causou uma surpresa maior ao ir para o palestino Kamel El Basha, por "The Insult", um filme sobre a difícil convivência entre palestinos e libaneses com um pequeno incidente que se transforma em um conflito enorme, um reflexo da situação política de toda a região do Oriente Médio.

O Grande Prêmio do Júri foi para "Foxtrot", do israelense Samuel Maoz, outro dos filmes que mais agradou nesta edição do festival, com sua crítica à militarização de Israel e às guerras com um estilo tão realista como onírico.

Sem dúvida o prêmios mais inesperados foram os dados ao francês Xavier Legrand por "Jusqu'à la garde", um duro filme sobre a violência doméstica e o primeiro longa-metragem do diretor, que trata o tema de uma maneira tremendamente honesta e direta.

Legrand, que recebeu o prêmio de melhor obra-prima e o Leão de Prata de melhor direção, protagonizou um dos momentos mais emocionantes da noite ao chorar copiosamente quando subiu pela segunda vez ao palco.

"Sem vocês - disse o produtor dirigindo-se aos atores do filme - poderíamos ter trabalhado e escrito um roteiro, mas depois teria que interpretá-lo e dar a ele um coração e vocês deram um coração magnífico".

Na cerimônia também foi entregue o prêmio de melhor roteiro a Martin McDonagh, por "Three Billboards Outside Ebbing, Missouri"; o Especial do Júri para "Sweet Country", do australiano Warwick Thornton, e o de ator revelação ao americano Charlie Plummer, por "Lean on Pete".
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Entretenimento

Topo