Entretenimento

Governo iraniano felicita Farhadi por Oscar e boicote à cerimônia

27/02/2017 08h00

Teerã, 27 fev (EFE).- O governo do Irã parabenizou nesta segunda-feira o cineasta Asghar Farhadi por seu segundo Oscar na categoria de melhor filme em língua estrangeira, assim como por sua decisão de não comparecer à cerimônia de premiação em protesto pelas medidas migratórias dos Estados Unidos.

"Estamos orgulhosos dos atores e da equipe de 'O Apartamento' pelo Oscar e por sua posição contra o veto aos muçulmanos", escreveu o ministro das Relações Exteriores iraniano, Mohamad Javad Zarif, em seu perfil oficial no Twitter.

O chefe da diplomacia iraniana se referiu desta maneira ao boicote de Farhadi e da atriz protagonista, Taraneh Alidoosti, à festa de premiação em protesto pela suspensão de vistos aos cidadãos de sete países de maioria muçulmana, entre eles o Irã.

Esta decisão, agora paralisada pelos tribunais americanos, foi contestada por Teerã com a adoção de medidas recíprocas.

"Os iranianos distribuíram cultura e civilização durante milênios", afirmou Zarif.

Nessa mesma linha, o primeiro vice-presidente iraniano, Eshaq Jahangiri, enalteceu a figura de Farhadi tanto por seu "valioso trabalho" como por "tomar a decisão correta de não comparecer à cerimônia do Oscar".

Este boicote, segundo o vice-presidente iraniano, é uma defesa de seu país "contra a medida desumana tomada pelo presidente Donald Trump".

Em representação de Farhadi, compareceram ao Teatro Dolby de Los Angeles dois proeminentes cidadãos americanos de origem iraniana, entre eles a engenheira Anousheh Ansari, conhecida por ser a primeira mulher turista a vistar o espaço, que leu um discurso escrito pelo cineasta.

"Minha ausência é por respeito ao povo de meu país e das outras seis nações que foram ofendidas pela lei desumana que proíbe a entrada de imigrantes nos EUA", afirmou Ansari em nome do diretor, que já tinha conseguido uma estatueta com "A Separação" (2011).

"O Apartamento" derrotou "Terra de Minas" (Dinamarca), "Um Homem Chamado Ove" (Suécia), "Toni Erdmann" (Alemanha) e "Tanna" (Austrália).

Dias antes do Oscar, os diretores destes filmes condenaram em comunicado conjunto o clima de "fanatismo e nacionalismo" nos EUA e em outras partes do mundo.

A 89ª edição do Oscar esteve marcada pelas críticas a Trump e a suas políticas polêmicas, especialmente as migratórias.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Entretenimento

Topo