Livros e HQs

Morre aos 75 anos o escritor argentino Ricardo Piglia

Roberto Pera/Folhapress
30.abr.2008 - O escritor argentino Ricardo Piglia posa para foto em sua casa no bairro de Palermo, em Buenos Aires Imagem: Roberto Pera/Folhapress

De Buenos Aires

06/01/2017 19h37

O escritor argentino Ricardo Piglia, autor de obras como "Respiración Artificial" e "Plata Quemada", morreu nesta sexta-feira (6) aos 75 anos após vários deles lutando contra uma esclerose lateral amiotrófica (ELA), confirmou o ministro da Cultura da Argentina.

"Adeus, Piglia. Para nós fica todo o escrito, a lucidez e a paixão do escritor e do leitor onívoro. Vamos sentir sua falta", declarou Pablo Avelluto em sua conta no Twitter.
 

A causa da morte teria sido um ataque cardíaco, segundo o jornal "Clarín". O escritor morreu em Buenos Aires.

Piglia, nascido em 24 de novembro de 1941 na cidade de Adrogué, na província de Buenos Aires, era considerado um dos melhores expoentes da nova época narrativa argentina.

Entre os últimos prêmios que recebeu por sua trajetória estão o Prêmio Ibero-Americano de Narrativa Manuel Rojas, em 2013, e o Prêmio Formentor das Letras, em setembro de 2015.

O também editor, crítico e professor universitário tinha confessado em entrevista à agência Efe em novembro do ano passado que acabara de terminar um livro de contos e já trabalhava em outro sobre romances curtos do uruguaio Juan Carlos Onetti.

Além disso, ainda revisava o terceiro e último volume de "Los Diarios de Emilio Renzi", sua autobiografia. Em terceira pessoa, ele percorre através do alter ego, o autor Emilio Renzi (o segundo nome e o segundo sobrenome de Piglia), meio século de sua vida, que registrou nos diários nos quais começou a escrever, redigir e rabiscar em 1957, quando tinha 16 anos.

Em 24 de novembro passado, o autor, que em 1967 publicou seu primeiro livro de relatos, "A Invasão", e cuja obra chegou ao cinema graças ao filme "Plata Quemada" (2001), baseada no livro homônimo, completou 75 anos ao lado dos amigos.

Como ele mesmo disse, a literatura o permitia "seguir vivo" depois de 2013, quando foi diagnosticado com esclerose lateral amiotrófica (ELA), uma doença que afeta a mobilidade, mas não a capacidade de raciocínio, e que provocou que em seus últimos tempos necessitasse de apoio básico para ler e trabalhar.

"A doença me fez descobrir a experiência da injustiça absoluta. Por que eu?, alguém se pergunta, e qualquer resposta é ridícula. A injustiça em estado puro nos rebela e persistimos na luta", disse Piglia.

Em 2015, o cineasta Andrés Di Tella dirigiu o documentário "327 Cuadernos", que contou com a colaboração do escritor.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

AFP
Da Redação
Página Cinco
EFE
do UOL
Página Cinco
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
Da Redação
Da Redação
Página Cinco
Página Cinco
UOL Jogos
Página Cinco
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
Página Cinco
UOL Jogos
Da Redação
do UOL
Página Cinco
UOL Entretenimento - Imagens
Página Cinco
EFE
Página Cinco
Blog do Barcinski
Página Cinco
UOL Jogos
Página Cinco
do UOL
Página Cinco
do UOL
Da Redação
Página Cinco
AFP
do UOL
Página Cinco
Da Redação
EFE
Página Cinco
Da Redação
Blog do Barcinski
Página Cinco
Reuters
Da Redação
BBC
Topo