Entretenimento

Museu Van Gogh considera falso suposto caderno inédito do pintor

15/11/2016 16h22

Bruxelas, 15 nov (EFE).- O Museu de Van Gogh de Amsterdã afirmou que é falso o chamado "caderno perdido de Arles", apresentado nesta terça-feira por uma editora francesa como uma série inédita de desenhos do mestre impressionista, que seria na realidade uma simples cópia.

"Este álbum de desenhos é uma imitação dos desenhos de Van Gogh", declarou em comunicado a pinacoteca dedicada ao mestre holandês, cujos especialistas já rejeitaram a autenticidade das obras entre 2008 e 2012, com base na análise de fotografias de 56 dos 65 desenhos do caderno.

Em 2013 os estudiosos analisaram também peças originais e "não mudaram de opinião".

"Os especialistas examinaram seu estilo, técnica e iconografia" e assinalaram que "entre suas conclusões encontraram distintivos erros topográficos e que seu autor se baseou em desenhos desbotados de Van Gogh (1853-1890)", sentenciou o museu.

Segundo esses analistas, os rascunhos estão datados entre a primavera de 1888 e 1890, mas estes "não refletem de modo algum o desenvolvimento de Van Gogh como desenhista nesse momento" e estão executados em um tom "monótono, trôpego e sem espírito" que difere claramente do "refinamento característico de Van Gogh".

"Outro dado revelador é que os desenhos do caderno de desenho foram executados em tinta café, e este tipo de tinta nunca foi encontrado nos desenhos de Van Gogh dos anos 1888-1890", pois o pintor desenhava nessa época com tinta negra ou roxa que só adquiria um tom marrom ao descolorir-se com o tempo, algo que o imitador parecia ignorar.

Além disso, os especialistas encontraram na suposta obra inédita do impressionista erros tipográficos que demonstram que o autor não está familiarizado com as cidades francesas de Arles e Saint-Rémy onde Van Gogh morou e onde supostamente os desenhos foram feitos.

A história de como o caderno foi entregue por Van Gogh ao casal Ginoux de Arles - que gerenciava o café e hotel onde se alojava - e como esteve desaparecido durante 60 anos também parece "altamente improvável", acrescentaram os especialistas.

A editora francesa Seuil apresentou hoje o caderno como uma descoberta excepcional mais de um século depois da morte do artista, e o publicará na França, Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Holanda e Japão a um preço de US$ 75.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo