Entretenimento

SPFW fecha com mistura entre influência das passarelas e tendências urbanas

28/10/2016 20h38

São Paulo, 28 out (EFE).- A São Paulo Fashion Week encerra nesta sexta-feira sua 42ª edição com uma mistura entre as últimas tendências urbanas e a periferia e a inata influência das aclamadas passarelas.

Com a ressaca da festa de fechamento que aconteceu ontem depois do desfile de Samuel Cirnansck, a organização e os fashionistas conduziram uma sexta-feira mais tranquila.

Sob o lema de "transformação", a marca BOBO apresentou o primeiro desfile do dia que abriu a passarela do Parque do Ibirapuera por meio de roupa esportiva casual, mas com tons pasteis e tecidos metálicos.

O cronograma do dia levou o público a um armazém no centro de São Paulo, onde fica uma galeria de arte transformada em camarote para a moda, nesta ocasião, do Cotton Project.

Inspirada na música eletrônica e no grafite do metrô de Nova York, a marca apresentou uma proposta "experimental" cheia de ritmo e comandada por um DJ.

Tecidos de tons pasteis misturados com rosa brilhante e alfaiataria com peças mais esportivas se destacaram em uma linha "mais comercial", mas ao mesmo tempo "mais democrática para um público aberto", disse à Agência Efe o diretor criativo da marca, Rafael Varandas.

Para ele, embora a crise econômica ainda afete o setor, esta edição da semana de moda é "uma versão de transição de calendário, mais híbrida e experimental, que propõe uma mistura perfeita das marcas grandes com as pequenas".

Já na opinião da modelo Cris Paladino, há um lado positivo, que é "pôr a moda nas ruas, como fez Paris".

"Acho que é uma tendência a ser incorporada estrategicamente. As marcas conseguirão fazer suas coleções com menos e darão mais valor às pessoas de bairros mais humildes, como ocorreu no desfile da marca LAB, do (rapper paulista) Emicida", ressaltou.

O último dia da maior semana da moda do circuito latino-americano também contou com a presença de João Pimenta e da marca Coca-Cola Jeans com uma coleção jovem e mais informal.

De acordo com a empresária e consultora de moda Glória Kalil, o momento de contingência econômica resultou em mais variedade por parte da SPFW, pois apresentou diversas "frentes".

"Moda de periferia, moda 'trans' e outras manifestações aparecem primeiro nesta indústria, que absorve mais rapidamente o comportamento das pessoas, e isto ficou evidenciado", analisou.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo