Entretenimento

Unesco adota polêmica resolução sobre Jerusalém e indigna Israel

18/10/2016 12h12

Paris, 18 out (EFE).- A Unesco adotou nesta terça-feira finalmente a resolução sobre a preservação do patrimônio cultural e religioso em Jerusalém Oriental, o que indignou Israel ao ignorar o vínculo entre o judaísmo e a Esplanada das Mesquitas (Monte do Templo para os judeus e Mesquita de al-Aqsa para os muçulmanos).

O conselho executivo da Unesco referendou o que foi votado na quinta-feira pela comissão, apesar do México ter pedido ontem à noite mudança em seu o voto para uma abstenção, algo que finalmente não foi aceito pela organização da ONU com sede em Paris, segundo explicou à Agência EFE uma porta-voz do organismo.

Assim, 24 países votaram a favor -entre eles México-, seis contra, houve 26 abstenções e dois países ausentes, afirmou a mesma fonte.

Votaram contra Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Holanda, Lituânia e Estônia, enquanto países europeus como França e Espanha se abstiveram.

A resolução que foi adotada hoje ignora o vínculo entre o Monte do Templo de Jerusalém e o judaísmo, limitando-se a considerar um lugar de culto muçulmano a Mesquita de al-Aqsa.

Embora a Esplanada das Mesquitas seja um lugar de culto exclusivamente muçulmano, é também venerada pelos judeus como seu lugar mais sagrado, ao ser o ponto onde foram erigidos os dois templos bíblicos de Jerusalém.

O texto da resolução tinha sido proposto pela Palestina, apoiada pelo Egito, Argélia, Marrocos, Líbano, Omã, Catar e Sudão, e no mesmo fica incluída uma enérgica condenação a Israel pela gestão dos lugares sagrados de Jerusalém.

No México, o voto favorável à resolução criou polêmica até tal ponto do embaixador deste país perante a Unesco ser destituído "por não ter informado diligentemente e com meticulosidade do contexto no qual ocorreu o processo de votação", afirmou em comunicado a Secretaria de Relações Exteriores (SRE).

Segundo a SRE, o México decidiu mudar de voto como reconhecimento que seu governo outorga "ao vínculo inegável do povo judeu com o patrimônio cultural situado em Jerusalém Oriental".

No entanto, a porta-voz da Unesco explicou a Efe que "o voto não pode ser modificado", por isso que a apuração final "continua sendo a mesmo".

Considerado o terceiro lugar mais sagrado do islã após Meca e Medina, a mesquita foi erigida no lugar que os judeus consideram que abrigava os dois templos bíblicos, o de Salomón e o de Herodes.

Israel, que controla a zona desde que na Guerra dos Seis Dias de 1967 ocupou a parte oriental de Jerusalém, permite o acesso dos muçulmanos às mesquitas para que possam orar, embora em algumas ocasiões há restrições por razões de segurança que determinam as autoridades israelenses.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo