Topo

Entretenimento

Unesco adota polêmica resolução sobre Jerusalém e indigna Israel

18/10/2016 12h12

Paris, 18 out (EFE).- A Unesco adotou nesta terça-feira finalmente a resolução sobre a preservação do patrimônio cultural e religioso em Jerusalém Oriental, o que indignou Israel ao ignorar o vínculo entre o judaísmo e a Esplanada das Mesquitas (Monte do Templo para os judeus e Mesquita de al-Aqsa para os muçulmanos).

O conselho executivo da Unesco referendou o que foi votado na quinta-feira pela comissão, apesar do México ter pedido ontem à noite mudança em seu o voto para uma abstenção, algo que finalmente não foi aceito pela organização da ONU com sede em Paris, segundo explicou à Agência EFE uma porta-voz do organismo.

Assim, 24 países votaram a favor -entre eles México-, seis contra, houve 26 abstenções e dois países ausentes, afirmou a mesma fonte.

Votaram contra Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Holanda, Lituânia e Estônia, enquanto países europeus como França e Espanha se abstiveram.

A resolução que foi adotada hoje ignora o vínculo entre o Monte do Templo de Jerusalém e o judaísmo, limitando-se a considerar um lugar de culto muçulmano a Mesquita de al-Aqsa.

Embora a Esplanada das Mesquitas seja um lugar de culto exclusivamente muçulmano, é também venerada pelos judeus como seu lugar mais sagrado, ao ser o ponto onde foram erigidos os dois templos bíblicos de Jerusalém.

O texto da resolução tinha sido proposto pela Palestina, apoiada pelo Egito, Argélia, Marrocos, Líbano, Omã, Catar e Sudão, e no mesmo fica incluída uma enérgica condenação a Israel pela gestão dos lugares sagrados de Jerusalém.

No México, o voto favorável à resolução criou polêmica até tal ponto do embaixador deste país perante a Unesco ser destituído "por não ter informado diligentemente e com meticulosidade do contexto no qual ocorreu o processo de votação", afirmou em comunicado a Secretaria de Relações Exteriores (SRE).

Segundo a SRE, o México decidiu mudar de voto como reconhecimento que seu governo outorga "ao vínculo inegável do povo judeu com o patrimônio cultural situado em Jerusalém Oriental".

No entanto, a porta-voz da Unesco explicou a Efe que "o voto não pode ser modificado", por isso que a apuração final "continua sendo a mesmo".

Considerado o terceiro lugar mais sagrado do islã após Meca e Medina, a mesquita foi erigida no lugar que os judeus consideram que abrigava os dois templos bíblicos, o de Salomón e o de Herodes.

Israel, que controla a zona desde que na Guerra dos Seis Dias de 1967 ocupou a parte oriental de Jerusalém, permite o acesso dos muçulmanos às mesquitas para que possam orar, embora em algumas ocasiões há restrições por razões de segurança que determinam as autoridades israelenses.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento