Topo

Entretenimento

História dos golens é revivida no Museu Judeu de Berlim

22/09/2016 14h17

Rodrigo Zuleta.

Berlim, 22 set (EFE).- O golem, um dos mitos mais famosos do misticismo judaico que inspirou artistas e escritores de várias épocas, revive a partir desta quinta-feira em uma exposição do Museu Judeu de Berlim que revive sua história, desde suas origens bíblicas até os mundos virtuais de hoje, passando pelos filmes de Paul Wegener.

Segundo o diretor do Museu Judeu, Peter Schäfer, durante a entrevista coletiva de apresentação, o mito aparece apenas uma vez na Bíblia, quando Adão diz a Deus que ele reconheceu seu "golem" nas entranhas da terra.

Com o tempo, no misticismo judeu, surgiu a ideia de que se o homem conseguisse encontrar a palavra que Deus pronunciou para criar Adão também poderia criar vida a partir do barro.

O artista californiano Joshua Abarbanel, em uma escultura que está na exposição, fez um boneco enorme a partir de letras hebraicas. O boneco tem pendurado no pescoço a letra aleph (a primeira do alfabeto hebraico).

O Talmude fala sobre o tema com ironia crítica e diz que a tentativa de imitar Deus por parte dos homens é um ato de soberba e conta a história de dois rabinos que ao tentar criar um golem criaram um bezerro, que finalmente comeram.

Na Idade Média começam a surgir histórias de tentativas de criar um golem como exercício espiritual. Uma vez criado, o processo era revertido e o golem voltava ao barro de onde tinha saído.

Mais tarde começaram a surgir histórias nas quais o golem ficava vivo, o que às vezes era tido como algo promissor e às vezes como ameaçador. O golem podia se voltar contra seu criador.

A lenda atribui ao rabino Juda Löw a criação de um ou vários golens no século XVI.

No século XIX, em artigo publicado em 1808, Jakob Grimm contou a história do golem o que gerou um grande interesse por parte dos românticos alemães.

A partir desse momento o mito ultrapassou o âmbito do Judaísmo e invadiu toda a cultura ocidental. Em 1915 é publicado o romance "O Golem" de Gustav Meyrink e Paul Wegener faz o primeiro de uma série de filmes sobre o tema.

A exposição não só mostra a relação da arte com o tema do golem, mas também temas relacionados com a ciência, desde a clonagem até a inteligência artificial e a robótica.

Revive-se o caráter ambivalente do golem, como bênção e ameaça ao mesmo tempo. "O golem é sempre atual", disse a curadora da exposição, Martina Lüdicke, destacando que "nele está a dialética do bem e do mal, do benéfico e do ameaçador".

"Os artistas costumam saber dessa ambivalência e dessa dialética, que costuma escapar da vista dos políticos, que não veem com frequência que tudo o que fazem também tem seu lado perigoso", disse Martina.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento