Entretenimento

CERN investiga filmagem de falso sacrifício humano em suas dependências

19/08/2016 14h59

Genebra, 19 ago (EFE).- A Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear, conhecida como CERN, disse nesta sexta-feira que está investigando as circunstâncias em torno da filmagem de um falso sacrifício humano em suas instalações e que foi divulgada recentemente pela internet.

"O CERN não consente com essas brincadeiras que violam nossas diretrizes profissionais", indicou a organização, que afirmou que a investigação sobre esse incidente segue em curso, mas que se trata de "um assunto interno", por isso não oferecerá mais detalhes a respeito.

A organização científica confirmou que o vídeo foi gravado, como é possível deduzir claramente pelas imagens divulgadas, em um dos edifícios de seu complexo, que cobre uma superfície de 80 hectares na fronteira entre Suíça e França.

"Este vídeo foi filmado em nosso recinto, mas sem nossa permissão e às escondidas", afirmou a entidade.

A organização garantiu, no entanto, que seus sistemas de segurança são muito rígidos, o que torna impossível que uma pessoa que não tenha autorização de acesso possa entrar em suas instalações técnicas e laboratórios.

Abaixo do CERN, a cerca de 80 metros de profundidade, fica o túnel de 27 quilômetros de circunferência que contém o Grande Colisor de Hádrons (LHC, sigla em inglês), o acelerador de partículas mais potente do mundo.

"Pessoas que estão autorizadas a entrar no CERN às vezes deixam que seu sentido do humor chegue longe demais e foi isso o que aconteceu nesta ocasião", afirmou a organização em uma declaração, após lembrar que cientistas de todo o mundo frequentam sua sede como parte de seu trabalho.

O CERN recebe a cada ano cerca de 10 mil cientistas visitantes, que representam mais de 600 universidades e de 113 nacionalidades.

A divulgação do vídeo, que foi visto mais de 260 mil vezes desde que foi postado na internet, reviveu a lembrança sobre os rumores apocalípticos que circulavam no período prévio à primeira colisão entre prótons do LHC, em 2010, alguns apoiados inclusive por cientistas.

Um deles alegava que os experimentos do CERN gerariam um buraco negro que poderia absorver o planeta em questão de uma hora e meia, o que a organização desmentiu várias vezes e explicou que seus experimentos eram totalmente seguros.

Uma consequência trágica disso ocorreu na Índia, onde uma adolescente se suicidou em setembro de 2008 após ver reportagens pela televisão que afirmavam que os experimentos do CERN levariam ao fim do mundo.

Outro rumor sobre as atividades do CERN tinha a ver com que seu objetivo era provar que deus não existe, o que seus responsáveis também negaram e, pelo contrário, ressaltaram que há gente de todas as religiões e culturas trabalhando de maneira harmônica em suas pesquisas.

"O CERN existe para compreender os mistérios da natureza em benefício da humanidade", afirmou a organização.

Em relação à possibilidade de que os trabalhos do CERN abrissem a porta para outra dimensão ou pudessem mudar o padrão do clima, a entidade rechaçou isso taxativamente e explicou que suas atividades não têm influência alguma no campo magnético terrestre.

O CERN foi fundado em 1954, conta com 22 Estados-membros que compartilham o financiamento e a tomada de decisões. Nele trabalham cerca de 2.400 cientistas como funcionários permanentes.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Entretenimento

Topo