Entretenimento

Muftis indianos proíbem utilização do jogo Pokémon Go por promover "satã"

06/08/2016 11h37

Nova Délhi, 6 ago (EFE).- Os muftis do santuário islâmico Dargah-el-ala Hazrat, no norte da Índia, declararam durante uma fatwa (édito religioso) o popular jogo Pokémon Go como "haraam" ou proibido, por considerar que faz promoção a "satã" e que é "perigoso" para os usuários.

O clérigo que emitiu o édito, Mohammed Saleem Noori, argumentou neste sábado à Agência Efe que o aplicativo faz com que os jogadores corram perigo de sofrer "acidentes", já que o utilizam enquanto caminham pela via pública ou estradas.

Além disso, "interfere na privacidade" das pessoas e "satã é promovido no jogo", advertiu o também porta-voz desse santuário sunita da escola hanafí situado em Bareilly, no estado de Uttar Pradesh.

"O jogo é haraam para a sharia" ou lei islâmica, concluiu o mufti.

Perante a febre do Pokémon Go, as autoridades de vários Estados lançaram nas últimas semanas advertências e medidas com relação à utilização do jogo, que hoje ficou oficialmente à venda em 15 países da região da Ásia-Pacífico.

O popular jogo, que conta com mais de 75 milhões de downloads no mundo todo e que estreou em 6 de julho, ainda não estreou oficialmente na Índia.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Entretenimento

Topo