Entretenimento

Cidade do Sudão do Sul proíbe lazer para combater o crime

03/04/2016 10h06

Atem Mabior.

Juba, 3 abr (EFE).- Por conta do êxodo de jovens que deixam suas casas e viajam até Bor, capital do estado de Jonglei, no Sudão do Sul, para praticar a dança e a luta tradicionais da região, os habitantes da cidade não podem mais realizar essas atividades de lazer porque, segundo as autoridades, a emigração desprotege a região e aumenta a criminalidade.

O governo da cidade de Bor pediu aos cidadãos que estão nesta cidade praticando estas atividades de lazer tradicional que retornem a suas localidades de origem, que foram alvo recentemente de saques, roubos e sequestros.

Com isso, as autoridades pretendem que estas pessoas protejam suas aldeias, que ficaram quase sem jovens que foram em massa a Bor, após as ocorrências recentes de sequestros de crianças e roubos de vacas.

Em um decreto, o governo local assegurou que as pessoas que participam de atividades de lazer como dança e combate tradicionais correm o risco de serem castigadas com uma pena de dois anos de prisão e uma multa de 10 mil libras sul-sudanesas (cerca de R$ 710).

Um dos amadores da luta tradicional, Madol Yok, assegurou à Agência Efe que foi surpreendido por este decreto, já que, segundo ele, a participação nessas atividades não impede que essas pessoas protejam suas aldeias.

Yok declarou que os jovens se reúnem uma vez por mês em Jonglei para aprender a praticar a luta tradicional, considerada um dos rituais mais importantes do patrimônio cultural dos membros da tribo dinka que vivem nessa região.

Esta luta costuma ser praticada por comunidades de pastores e muitos jovens organizam competições onde defendem o orgulho de seus clãs.

"Apresentaremos um recurso contra o decreto das autoridades porque o esporte da luta não pode ser classificado como algo proibido", ressaltou.

)Além disso, Yok pede ao governo que "recrute os jovens para que trabalhem na polícia local e assim proporcione emprego e proteja as aldeias".

Na cidade de Bor são realizadas também a cada fim de semana festas de baile tradicional, denominada Naqara, como um espaço de encontro entre os jovens perante a escassez da oferta de lazer.

Um responsável local na comarca de Bor, Peter James, comentou à Efe que o decreto pretende encorajar os jovens para que pratiquem as atividades de lazer em seus povos, ao invés de se deslocar para fazê-las na cidade.

"O problema é que os jovens abandonam suas aldeias e vêm à cidade para buscar diversão, dança e praticar a luta. É algo que podem fazer em suas regiões de origem", salientou.

As autoridades acreditam que a permanência dos jovens em suas aldeias pode representar um escudo contra os ataques dos ladrões de gado e dos criminosos que costumam sequestrar as crianças.

O roubo das vacas e o sequestro de crianças são práticas frequentes na província de Jonglei, e as autoridades locais acusam grupos armados que dependem das tribos de pastores nueres e murles de efetuar esses atos.

As autoridades sul-sudanesas fracassaram em conter este fenômeno e em deter os membros dos grupos criminosos que os cometem, devido à propagação das armas entre os civis por causa da guerra que o país viveu nos últimos dois anos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Entretenimento

Topo