Topo

Entretenimento

Gravações de julgamento de Mandela já estão disponíveis em formato digital

17/03/2016 12h09

Pretória, 17 mar (EFE).- As gravações do julgamento de 1964 em que o regime do apartheid condenou Nelson Mandela e outros sete de seus companheiros de luta a prisão perpétua estão disponíveis a partir desta quinta-feira em formato digital e em breve poderão ser consultados na internet.

"Pela primeira vez podemos escutar as vozes dos que foram julgados em Rivonia, os procedimentos do princípio ao fim", disse o ministro de Cultura sul-africano, Nathi Mthethwa, no ato de apresentação do arquivo digital em Pretória.

A cerimônia aconteceu no Palácio de Justiça de Pretória, na mesma sala do tribunal em que Mandela e os outros ativistas foram julgados e condenados.

A cerimônica contou com a presença de três dos condenados em 1964: Denis Goldberg, Andrew Mlangeni e Ahmed Kathrada.

As gravações digitalizadas foram entregues a Mthethwa pelo Instituto Nacional Audiovisual da França (INA), que tombou o conteúdo dos 591 cilindros flexíveis de vinil (conhecidos como ditabelts) que continham as 230 horas de gravação sonora do julgamento.

O acordo entre o Ministério de Cultura sul-africano e o INA inclui um programa para transferir tecnologia e conhecimento à administração sul-africana, para que a África do Sul possa digitalizar todos os arquivos sonoros dos juízos da época do apartheid.

Conhecido como o julgamento de Rivonia, região nos arredores de Johanesburgo onde estava a fazenda que era o centro de operações do braço armado do Congresso Nacional Africano (CNA), o processo foi um dos episódios fundamentais da repressão do regime à resistência.

Durante sua defesa neste julgamento, Mandela pronunciou um de seus discursos mais famosos, que fechou com uma declaração de seu compromisso com "o ideal de uma sociedade livre e democrática", pelo qual se mostrou "preparado para morrer".

Antes que as vozes, agora digitalizadas, de acusados, advogados, promotores e juízes voltassem a ser ouvidas na mesma sala do Palácio de Justiça da capital da África do Sul, o ministro da Cultura elogiavao fato de este precioso documento sonoro estar agora a salvo.

Perto dali, sentados nos mesmos bancos em que a promotoria pedia suas cabeças há 52 anos, Goldberg, Mlangeni e Kathrada acompanharam atentamente o trecho dos procedimentos que foi reproduzido.

O promotor pedia pena de morte, mas a condenação foi amenizada para prisão perpétua.

As gravação em ditabelts são o único documento sonoro do julgamento, que não tem nenhum registro audiovisual, lembrou a embaixadora da França em Pretória, Elisabeth Barbier.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento