Entretenimento

Sem pressa para voltar à música, prioridade de Phil Collins são seus filhos

05/02/2016 13h54

(corrige nome do cantor no título).

Javier Herrero.

Madri, 5 fev (EFE).- Phil Collins deixou a música em 2011, entre outros motivos, para estar perto de seus filhos pequenos, sua prioridade ainda hoje, mas já está pensando em um retorno à atividade "com calma", o que se traduziu por enquanto na reedição de seus discos "Face value" e "Both sides", seu "favorito".

"Quando anunciei minha volta (ano passado), só disse que escreveria novas canções, o que foi distorcido como que faria um novo álbum. O certo é que ainda não escrevi nada. Minha intenção é voltar pra casa, não fazer nada durante um tempo, então me sentar no estúdio e ver o que acontece. Agora só tenho um par de ideias", disse em entrevista à Agência Efe.

Persistentes problemas médicos, fruto de três décadas tocando bateria (perda de capacidade auditiva, uma vértebra deslocada e danos nervosos) levaram este britânico, vencedor de sete Grammy e um Oscar, a abandonar sua carreira há cinco anos.

A isso se uniu o enfado com algumas dinâmicas da indústria musical, "embora haja muito mais coisas pelas quais estou grato", contemporizou. E em terceiro lugar, mas não menos importante, "porque queria criar meus filhos pequenos", ressaltou.

Sua terceira esposa, Orianne Cevey, os levou a Miami após se separarem e isto obrigava Collins a viajar frequentemente.

"Nos tempos intermediários, me vi com muito tempo livre; na realidade, era algo que de forma alguma sentia que merecia, não fazer nada", contou.

O que aconteceu é que a inatividade e todos os eventos pessoais sumiram em um "período de escuridão", em que passava vendo televisão e bebendo álcool demais. Isso acabou em 2012.

No começo de 2015, Cevey ficou paralisada e Collins decidiu se mudar permanentemente para Miami para estar perto de sua família. Ele mesmo confirmou à Efe que "foi um tempo difícil, mas é passado, e que agora vivemos todos juntos outra vez".

Em meio a estes eventos, propuseram a ele se envolver na reedição de seu catálogo, especialmente do abundante material adicional que o acompanha (a remasterização ficou por conta de Nick Davis).

"O melhor destas canções é que não envelheceram, soam tão bem como quando as gravamos", avaliou Collins, que diz que o encorajou ter sido citado por outros artistas como uma influência: "pensei que seria interessante que quem lesse isso pudesse escutar do que estavam falando", acrescentou.

Os dois primeiros já estão na rua, "Face value" (1981) e "Both sides" (1993): "É meu álbum favorito, porque o fiz todo em casa e isso o torna muito pessoal", disse Collins, que destaca especialmente a canção "Can't turn back the years".

"Face value" se destaca por conter músicas emblemáticas como "In the air tonight", com sua imprescindível sequência inicial de bateria. "O acho fantástico. Não acredito que pudesse melhorá-lo", apontou.

Foi, além disso, o primeiro disco solo de sua carreira após deixar o Genesis. "Aproveitei muito esses períodos, mas não sinto saudades do Genesis. Estou bastante feliz com o ponto em que minha vida está. Nunca sei o que vou fazer depois, por isso não queria que os meninos da banda estivessem esperando qual decisão tomo", explicou.

Mas ele revelou que a relação é estupenda. "Seus números estão em minha agenda. No dia do meu aniversário falei com Tony (Banks) e Mike (Rutherford)", contou Collins, que fez uma tour com eles pela última vez em 2007.

Foi quando deslocou algumas vértebras do pescoço. Desde então, não voltou a tocar a bateria: "Talvez deveria começar a praticar para ver que acontece".

Sobre voltar aos palcos, disse que não pode falar de planos. "Estou pensando, mas com calma. Não quero me apressar. Todo dia levo meus filhos ao colégio e isso é o mais importante para mim agora. Não quero estar muito ocupado".

Com mais de 100 milhões de discos vendidos no mundo todo, Phill Collins é um músico tão louvado como discutido: "O mais importante para mim é que as pessoas normais gostem do que faço", disse, e garantiu não ter ficado sabendo da debochada campanha no site de abaixo-assinado Change.org para impedir que voltasse à música.

Seis anos após as famosas declarações que fez em Madri sobre Lady Gaga, Collins também assegurou que ainda não escutou a cantora americana, e que portanto continua ser ter opinião sobre ela.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo