Entretenimento

Alheio à crise, mercado de arte bate recordes milionários em 2015

Darren Ornitz/Reuters
O quadro "As Mulheres de Argel", de Pablo Picasso Imagem: Darren Ornitz/Reuters

23/12/2015 17h50

O investimento em arte, símbolo de status social, continua a dar fôlego a uma bolha que parece não ter limite. Por mais um ano, o mercado estabeleceu recordes em exclusivos leilões em Londres, Paris e Nova York.

O interesse da família real do Catar, de xeques da Arábia Saudita, de magnatas de Rússia, China e várias outras nacionalidades em investir em arte estimulou este mercado.

O destaque até o momento é de uma venda privada, fora do circuito de leilões, de "Nafea faa ipoipo" ("Quando se casará?", de 1892), da etapa taitiana de Paul Gauguin, um óleo sobre tela vendido em fevereiro pelo colecionador suíço Rudolf Staechelin por US$ 300 milhões.

Staechelin se recusou a confirmar esse valor, mas disse que "os preços ficaram loucos" e lembrou que seu avô comprou essa obra prima de Gauguin por 18 mil francos suíços em 1917.

O que fica evidente é que o negócio da arte está alheio à crise. A prova é que a lista das dez obras mais caras da história - sem contar essa venda privada - é composta por peças leiloadas a partir de 2004, duas delas neste ano -- as que ocupam o primeiro e o segundo lugares do ranking.

O recorde em leilões, por enquanto, é da tela "Las Femmes d'Alger (Version 'O')", ("As mulheres de Argel", de 1955), de Pablo Picasso, adquirido em maio de 2015 em Nova York por US$ 179,36 milhões.

Este quadro desbancou "Three Studies of Lucian Freud" (Três estudos de Lucian Freud), de Francis Bacon, que em 2013 foi leiloado por US$ 142,4 milhões, e, por enquanto, ocupa o terceiro lugar.

Em segundo está o óleo "Nu Couché" ("Nu Reclinado"), assinado pelo pintor italiano Amedeo Modigliani e vendido em novembro deste ano por US$ 170,4 milhões em Nova York ao empresário chinês Liu Yiqian, ex-taxista que se tornou magnata graças aos seus investimentos na bolsa.

E o quarto lugar é da escultura "Pointing Man" ("Homem apontando", de 1947), de Alberto Giacometti, vendida por US$ 141.28 milhões em Nova York no mesmo dia em que "Les Femmes d'Alger" em um leilão considerado histórico. A escultura foi adquirida pelo magnata americano Steven Cohen, segundo o "New York Post".

Naquele dia, Giacometti superou a si mesmo no recorde de preço. O anterior era também sua, "Walking Man I" ("Homem Caminhando I"), que foi vendido em 2010 por US$ 104,3 milhões.

E se os números que movimentam os leilões soam estratosféricos, não menos vertiginosos são os valores que circulam nas vendas privadas, nas quais "Nafea faa Ipoipo" foi negociado, aparentemente, para a família real do Catar.

Mesmo destinatário da segunda obra de arte mais cara da história nas vendas privadas: "(Les Joueurs de cartes" ("Os Jogadores de Cartas", de 1893), de Paul Cézanne, pelo qual o governo catariano desembolsou US$ 250 milhões há três anos.

Em 2015 foram compradas as obras que alcançaram a terceira e quarta posições neste circuito.

A quarta colocada é uma obra de Rembrandt, "The Pendant portraits of Maerten Soolmans en Oopjen Coppit" (Retratos de Maerten Soolmans e Oopjen Coppit, 1634), vendida por Éric de Rothschild por US$ 180 milhões ao museu do Louvre, de Paris, e ao Rijksmuseum, de Amsterdã, que vão compartilhar as obras.

O terceiro lugar ficou com a obra do expressionista abstrato americano Mark Rothko, "No. 6 (Violet, Green and Red)" ("Nº 6 (Violeta, Verde e Vermelho", de 1951), comprada pelo multimilionário russo Dmitry Rybolovlev por US$ 186 milhões em agosto.

Esta efervescência do mercado da arte também deu mais fama às feiras de arte contemporânea que concorrem em notoriedade, galeristas e colecionadores. Elas  proliferam por todo o mundo, mas as mais destacadas internacionalmente são Art Basel (Suíça), que também abriu filial em Hong Kong e Miami, Tefal (Maastricht, na Holanda), Art Cologne (Alemanha), Frieze Art Fair, em Londres, The Armony Show, em Nova York, FIAC, em Paris, Arte Feroz Art First, em Bolonha, e a Arco, em Madri.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Entretenimento

Topo