Entretenimento

Jorge Drexler cria "ponto cego da tristeza" em show no Rio de Janeiro

12/11/2015 07h39

icardo Diniz.

Rio de Janeiro, 12 nov (EFE).- Desde o primeiro momento em que pisou na noite desta quarta-feira no palco do Teatro Oi Casa Grande, no Rio de Janeiro, o uruguaio Jorge Drexler se mostrou disposto a criar um "ponto cego" para que ele mesmo e o público pudessem fugir da tristeza do mundo por quase duas horas por meio da música.

Acompanhado do compatriota Luciano Supervielle, músico do coletivo Bajofondo, e de seu produtor, o catalão Carlos Campi, Drexler começou o show com a canção "Causa y Efecto" do álbum "Sea", lançado em 2001 e bastante conhecido do público brasileiro.

Interagindo bastante com o público em um português quase sem sotaque, o uruguaio exibiu seu lado mais intimista na primeira metade da apresentação com músicas como "Polvo de Estrellas", "Sanar" e "La Edad del Cielo".

O lado mais tranquilo do show também teve espaço para uma peça de piano composta por Supervielle em homenagem ao escritor uruguaio Felisberto Hernández - momento que Drexler definiu como o seu preferido de toda a apresentação.

"É quando posso me sentar ali no canto e tomar um copo de qualquer bebida que forem me servir", brincou o músico, que pouco depois regeria uma sinfonia de assobios do público para acompanhá-lo em "Guitarra y Vos".

Drexler também se permitiu sair do repertório para fazer uma homenagem a Nelson Motta, que o prestigiava na plateia. Em bom português, cantou "Como uma Onda", parceria do produtor com Lulu Santos, que ele "escutava muito no Uruguai".

Já na metade da apresentação, o uruguaio decidiu abrir espaço para os pedidos do público e, diante da enxurrada de sugestões, comentou com sorriso aberto: "Sempre me surpreendo com a erudição de vocês em relação ao meu repertório".

Atendendo aos apelos da plateia, Drexler emendou "La vida es mas Compleja de lo que Parece", "Noctiluca", composta em homenagem a um de seus filhos, e declamou os versos de "Al Otro Lado del Río", música com a qual ganhou o Oscar de Melhor Canção Original em 2005.

Para a parte final do show, quando convida o público a se levantar da poltrona para dançar, o músico chamou ao palco o brasileiro Domenico Lancellotti para acompanhá-lo na percussão.

O set mais animado do show começou com "Universos Paralelos" e continuou com "Deseo", em ritmo de cumbia, e "Bolívia", com a qual Drexler traça um paralelo entre a chegada dos europeus à América do Sul e a atual crise dos refugiados.

"Quem buscou asilo aqui no passado deve estar pronto para dar asilo agora", declarou o cantor, efusivamente aplaudido.

O bis, que começou com uma divertida coreografia dos músicos, teve espaço para as animadas "Bailar en la Cueva" e "La Luna de Rasquí", onde o cantor destrincha sua teoria do "ponto cego da tristeza".

O show terminou com um dos maiores hits de Drexler, "Todo se Transforma", uma espécie de injeção de ânimo na plateia antes de deixar esse formidável ponto cego musical e voltar ao mundo real. EFE

rsd/id

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Entretenimento

Topo