Topo

Entretenimento

Felipe VI pede mais esforços para ensino da língua espanhola nos EUA

17/09/2015 22h26

Ramiro Fuente.

Miami, 17 set (EFE).- O rei Felipe IV pediu nesta quinta-feira mais esforços para o ensino da língua espanhola nos Estados Unidos, assim como o uso do idioma em pesquisas e tecnologia, apelando à herança cultural espanhola do país para que contribuam juntos à construção de uma comunidade internacional "mais integrada e unida".

"O espanhol - ou castelhano, como gostam de chamá-lo em algumas regiões da Espanha e no conjunto ibero-americano - é uma língua que pode ser usada em mais de 20 países sem que nenhum deles se sinta excluído, e não deixa de ser fascinante que possa soar como próprio em um país que tem o inglês como idioma nacional", disse o monarca da Espanha, que faz sua primeira visita à Flórida.

Autoridades e estudantes do Miami Dade College receberam com honras os reis da Espanha na Torre da Liberdade, apesar da forte chuva. Além de presentearem Felipe com a medalha presidencial da instituição, eles concederam a oportunidade de o rei fazer o discurso inaugural do ano-letivo na universidade, a maior do país.

Felipe destacou a importância do espanhol como "parte substancial" do presente dos EUA e como "componente cardeal" de seu futuro. Por isso, defendeu a existência de um "espanhol-americano" com seu próprio perfil social e linguístico, diante das "falas hispânicas de outras regiões".

O monarca argumentou os motivos pelos quais se pode falar da "centralidade progressiva hispânica" no país, no qual a minoria "está chegando ao coração da sociedade americana" até o ponto que, considerada comunidade, "constituiria a 13ª economia mundial".

"Na medida em que o espanhol estabelece sua posição nos EUA, adquire maior prestígio no mundo", acrescentou Felipe, antes de destacar que as crianças não hispânicas parecem "claramente inclinadas" a aprender o idioma.

No entanto, para garantir o que o espanhol siga sendo uma "língua útil e estável" dentro do país, é preciso promovê-la na escola.

Por isso, Felipe pediu que os alunos sejam dotados deste "instrumento linguístico de alcance internacional, com uma "maior atenção" aos programas de ensino bilíngue. E também solicitou um maior esforço nos EUA para que o idioma passe de um idioma importante entre os consumidores de tecnologia para "uma língua envolvida na criação de tecnologia", assim na pesquisa e na formação universitária.

Mais de 165 mil alunos de 185 países estudam no Miami Dade College, que recebeu os reis da Espanha no início da visita à Flórida, que tem como objetivo tratar sobre a influência espanhola no território americano por ocasião do 450º aniversário de Saint Augustine - cidade que visitarão amanhã - como o primeiro assentamento europeu em solo americano.

O reitor do Miami Dade College, Eduardo Padrón, definiu Felipe VI como o líder de uma "nação dinâmica e aberto ao mundo", atuou como anfitrião no primeiro ato oficial dos reis espanhóis na Florida, ao lado do prefeito de Miami, Tomás Regalado.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento