Livros e HQs

Para Padura, a Cuba de seus livros é mais real do que a dos jornais

Sebastião Moreira/EFE
O escritor e jornalista cubano Leonardo Padura Imagem: Sebastião Moreira/EFE

De Paraty

02/07/2015 19h46

Participante da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), o escritor e jornalista cubano Leonardo Padura defendeu nesta quinta-feira (2) seu ofício de cronista ao afirmar que a Cuba retratada em seus livros se aproxima mais da realidade do que o país que os jornais de lá mostram.

"Daqui a 40 anos, quando alguém ler os jornais cubanos e meus livros, vai dizer que são dois países diferentes. Posso garantir que o país dos meus textos se parece muito mais com a realidade do que o país dos jornais", afirmou o autor em entrevista coletiva na Festa Literária Internacional de Paraty (Flip).

Embora sempre evite falar de "regime" e jamais caia na armadilha dos jornalistas, que insistem em que ele critique o governo castrista, Padura reconheceu que escreveu suas obras "com uma mensagem política subliminar", mas pondo em primeiro lugar o "ponto de vista social".

"Dentro de Cuba há leituras muito críticas sobre a minha obra porque a consideram uma literatura contra o sistema e, por outro lado, fora de Cuba consideram que ela defende e sustenta o sistema", continuou.

Relação cordial
Recentemente agraciado com o Prêmio Princesa das Astúrias das Letras, Padura ressaltou "a grande liberdade" para escrever que ele possui na ilha, onde tenta manter uma relação "cordial" com as autoridades.

"Eu escrevo para os cubanos, apesar de viver dos meus leitores internacionais. Consegui que todos os meus livros fossem publicados em Cuba e sem que tivessem uma só palavra mudada", contou.

Padura, que foi "marginalizado" nos anos 1990 por ser um autor de literatura policial, é hoje um dos escritores de maior projeção internacional, graças ao seu alter-ego Mario Conde, o detetive fictício mais emblemático do mundo "paduriano".

"Hoje me reconhecem por ser um escritor de romances policiais, portanto acho que ganhei a batalha", disse.

O autor, que confessou ser admirador da "personalidade" do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, criticou as desigualdades do continente e defendeu uma "reelaboração da utopia porque, falando em cubano, o mundo está muito f...".

No entanto, Padura também afirmou estar "otimista" com o novo rumo da política cubana. Para ele, os presidentes Barack Obama e Raúl Castro "estão dando um exemplo ao mundo" com a abertura das embaixadas dos Estados Unidos e Cuba e o restabelecimento das relações diplomáticas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Página Cinco
UOL Jogos
do UOL
AFP
BBC
BBC
Página Cinco
Página Cinco
AFP
Da Redação
AFP
Página Cinco
do UOL
Página Cinco
Da Redação
do UOL
Página Cinco
Da Redação
Reuters
Página Cinco
Da Redação
do UOL
Página Cinco
EFE
Página Cinco
Da Redação
AFP
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
BBC
Página Cinco
UOL Jogos
UOL Jogos
Entretenimento
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
Entretenimento
AFP
Da Redação
Página Cinco
EFE
do UOL
Página Cinco
Página Cinco
Da Redação
Página Cinco
Da Redação
Topo