Topo

Entretenimento

Editores discutem em congresso novas tecnologias e desafios do jornalismo

17/06/2015 13h45

Rosa Díaz.

Barcelona, 17 jun (EFE).- O jornalismo feito por robôs, o papel dos agregadores de notícias, os novos aplicativos e as tendências de consumo de informação são alguns temas abordados por mais de 600 editores de meios de comunicação de todo mundo que se reúnem a partir desta quarta-feira, em Barcelona.

O congresso Global Editors Network (Gene) teve início hoje no Centro de Cultura Contemporânea de Barcelona (CCCB) com o objetivo "de buscar ferramentas para enfrentar os desafios do jornalismo atual", explicou à Agência Efe o presidente do Gene e o chefe de redação do grupo Clarín da Argentina, Ricardo Kirschbaum.

O evento, que termina na próxima sexta-feira, organizou hoje quatro mesas-redondas sobre os novos aplicativos de notícias em dispositivos móveis, o jornalismo de realidade virtual, as inovações dos meios de comunicação chineses e bancas digitais.

Entre as palestras que serão realizadas nos próximos dias se destacam a divulgação do Relatório Reuters sobre tendências de consumo de informação e a apresentação do vice-presidente do Google, David Drummond, sobre o papel dos agregadores de notícias.

"A tecnologia está nos dando uma capacidade imensa de chegar ao consumidor, mas ainda não encontramos a maneira de transformar essas ferramentas em plataformas rentáveis. Esse é um de nossos desafios", assinalou Kirschbaum.

Sobre a viabilidade econômica, a mesa-redonda "De 'Bitcoins' a 'Bitnotícias': rumo às matérias de um centavo" abordou as novas formas de pagar pela informação de maneira fragmentada e dando facilidades aos leitores.

"Uma possibilidade é ter uma conta com uma quantia de dinheiro, da qual as empresas vão descontando centavos de acordo com o que a pessoa vai lendo", explicou a especialista Concha Catalán.

Entre as muitas contribuições das tecnologias digitais ao jornalismo, o congresso realizado em Barcelona analisa, em especial, três delas: os sensores, os robôs e a realidade virtual.

O jornalismo de sensores consiste em repartir entre um grupo de cidadãos equipamentos com certas capacidades com objetivo de gerar uma informação útil, como a qualidade do ar e o nível de barulho.

Já os robôs estão sendo testados para automatizar a elaboração de notícias com um texto padrão, mas que mudam os dados, como as informações sobre o nível de movimento sísmico e os resultados das bolsas de valores.

Por outro lado, o jornalismo de realidade virtual procura narrar as notícias audiovisuais em 3D e com 360 graus de campo visual.

Para potencializar esse tipo de aplicativos, o Gene organiza anualmente um concurso no qual participam start-ups de todo o mundo. Neste ano, os participantes estão trabalhando em formas de narrar notícias utilizando técnicas de videogame.

A última edição do concurso foi vencida por uma companhia que criou um aplicativo capaz de ilustrar com imagens qualquer notícia de forma automática.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento