Topo

Entretenimento

Universidade Texas pagou US$ 2,2 milhões por arquivo de García Márquez

25/02/2015 22h43

Austin (EUA), 25 fev (EFE).- A Universidade do Texas, nos Estados Unidos, pagou US$ 2,2 milhões à família de Gabriel García Márquez pela aquisição do arquivo pessoal do falecido vencedor do Nobel de Literatura, segundo revelou nesta quarta-feira esta instituição educativa.

A compra do arquivo, que contém vários manuscritos, duas mil cartas, 40 álbuns de fotos e inumeráveis notas e apontamentos, além de outros objetos, foi anunciada no final de novembro de 2014, mas o custo não havia sido divulgado até então.

A transação se realizou meses antes através de Glenn Horowitz, um intermediário com escritório em Nova York.

Entre os objetos mais valiosos do arquivo estão o documento definitivo de "Cem anos de solidão", que o escritor entregou à imprensa em 1967, e um dos poucos manuscritos que existem de "En agosto nos vemos", seu romance inédito.

A Universidade do Texas se negou, em princípio, a tornar público o contrato da compra e solicitou às autoridades texanas uma permissão especial para mantê-lo em segredo, contrariando uma lei estadual, mas o pedido foi rejeitado há poucos dias.

Por isso, a instituição revelou hoje o montante da operação, segundo confirmou à Agência Efe Jen Tisdale, uma porta-voz da universidade.

O Centro Harry Ransom, o departamento da universidade que cuida arquivo, tem uma das coleções literárias mais importantes do país, com objetos de James Joyce, Ernest Hemingway, Jorge Luis Borges e William Faulkner, entre muitos outros.

Seu diretor, Steve Enniss, explicou à Efe em novembro do ano passado que a decisão que fosse o Centro Harry Ransom o que acolhesse o legado de García Márquez foi tomada por sua viúva, Mercedes Barcha, e seus filhos, Rodrigo e Gonzalo García.

De fato, Rodrigo García Barcha disse então que "a intenção da família sempre foi encontrar o melhor lugar para o arquivo, independentemente de onde fosse".

"Nós queríamos que estivesse bem acompanhado", acrescentou García Barcha, ao argumentar que na Universidade do Texas há "coleções similares".

A notícia despertou reações na Colômbia, país natal de García Márquez, ainda mais quando o filho de García Márquez afirmou que "o governo colombiano nunca fez-se presente nem fez nenhuma oferta".

Gabriel García Márquez morreu no último dia 17 de abril na Cidade do México, onde morava há décadas.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento