Entretenimento

Com patrocínio de país sob ditadura, Beija-Flor é campeã do carnaval do Rio

18/02/2015 20h15

Rio de Janeiro, 18 fev (EFE).- A escola de samba Beija-Flor de Nilópolis sagrou-se nesta quarta-feira campeã do carnaval do Rio de Janeiro com um polêmico enredo sobre a Guiné Equatorial e que foi financiado pelo governo desse país africano, que está sob uma ditadura há quase 36 anos.

O desfile da Beija-Flor, na noite de segunda-feira, foi escolhido pelos jurados o melhor entre as 12 agremiações do Grupo Especial do Rio de Janeiro, com 269,9 pontos de 270 possíveis.

A escola de Nilópolis venceu o Salgueiro por 0,4 ponto. Grande Rio (269), Unidos da Tijuca (269) e Portela (269) são as outras escolas que ficaram entre as cinco primeiras e que voltarão à Sapucaí no próximo sábado para o Desfile dos Campeãs. Já a Viradouro ficou em último lugar e voltará no ano que vem para a Série A (segunda divisão).

Este foi o 13º título da Beija-Flor, que não ganhava o título desde 2011. Apesar da opulência das fantasias e dos carros alegóricos, além da perfeição com que passou pelos 700 metros do sambódromo da Marquês de Sapucaí, o desfile da escola foi motivo de uma intensa polêmica por ter sido financiado pelo governo da Guiné Equatorial, ex-colônia espanhola na África Subsaariana.

A escola foi questionada por ter recebido dinheiro de um governo cujo presidente, Teodoro Obiang, chegou ao poder com um golpe de Estado em 1979, e que é criticado por ser um dos governantes mais ricos do mundo em um dos países mais pobres e com constantes violações dos direitos humanos.

Segundo alguns veículos de imprensa, o país africano pagou US$ 10 milhões para que o desfile da Beija-Flor falasse da Guiné Equatorial, mas a escola de samba não confirmou este número. "O valor (do patrocínio) não foi divulgado, é tudo especulação", disse um porta-voz da escola de samba em comunicado enviado à Agência Efe.

O desfile da Beija-Flor teve como testemunha de honra o segundo vice-presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Nguema Obiang, filho do presidente e que no final de 2013, durante uma visita ao Brasil, teve que solicitar ao Supremo Tribunal Federal um habeas corpus para evitar sua extradição à França, onde é acusado de lavagem de dinheiro.

Ele também foi acusado de crimes financeiros nos Estados Unidos e, em outubro, assinou um acordo com a justiça desse país para aceitar o confisco de bens de luxo que teriam sido comprados com recursos de negócios corruptos.

A escola não entrou em polêmicas e focou seu desfile na cultura e nas belezas naturais da Guiné Equatorial, deixando a política de lado. No entanto, aproveitou para atiçar os conquistadores espanhóis, portugueses, ingleses, holandeses e franceses que exploraram a pequena nação africana nos últimos cinco séculos, e que foram retratados com rostos ferozes.

No desfile, a Beija-Flor retratou ainda os navios negreiros que levaram os guineanos escravizados para o novo mundo.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Entretenimento

Topo