Entretenimento

Japoneses criam petição para defender libertação da "artista da vagina"

17/07/2014 10h35

Tóquio, 17 jul (EFE).- Aproximadamente 20 mil pessoas já assinaram a petição criada para reivindicar às autoridades japonesas a libertação de Megumi Igarashi, conhecida como a "artista da vagina" e que foi detida no último sábado por distribuir material obsceno.

A petição, dirigida à polícia metropolitana de Tóquio e impulsionada através da plataforma Change.org, acumulava 18.976 assinaturas na manhã desta quinta-feira. A grande adesão por parte dos cidadãos reflete a grande polêmica em torno da prisão de Igarashi, que também ganhou espaço na imprensa internacional.

Igarashi, de 42 anos e também conhecida como Rokudenashi-ko ("menina má"), ganhou o apelido de "artista da vagina" por causa de suas esculturas e instalações de pop art inspiradas nas genitálias femininas.

A artista permanece detida desde o último sábado por causa de uma suposta distribuição de material obsceno e, em particular, por enviar dados digitais que permitiriam a reprodução de sua própria vagina com uma impressora em 3D.

Recentemente, Igarashi iniciou uma iniciativa de "crowdfunding" com o objetivo de financiar o projeto de um "kayak" em forma de vagina, campanha que, até o momento, já teria arrecadado um milhão de ienes (US$ 9,8 mil) entre 125 doadores, segundo dados da polícia japonesa.

A artista, que apresentou uma mostra com essa temática na capital japonesa no último mês de maio, alegou ter enviado os dados de sua vagina apenas aos doadores da campanha e afirmou que não considera o material obsceno.

Segundo a artista, que disse que recorrerá à justiça para se defender, seu objetivo é "desafiar os tabus" e "lutar contra a discriminação" sobre a sexualidade feminina na sociedade japonesa.

A petição criada na internet defende esses argumentos e, além disso, destaca que as "expressões" de Igarashi "não violam os direitos humanos" e "não são realizadas em espaço público".

O código penal japonês proíbe a distribuição de materiais "obscenos", embora não tenha uma definição exata para esta categoria.

Na prática, as reproduções de genitais humanos que aparecem em meios audiovisuais - por exemplo, na indústria pornográfica japonesa - são censuradas para evitar problemas legais.

De acordo com a imprensa local, se for considerada culpada, Igarashi poderia ser condenada a uma pena de até dois anos de prisão ou multada em US$ 24.769.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo