Entretenimento

Fábricas e armazéns em ruínas renascem como centros culturais em Havana

02/06/2014 11h17

Anett Ríos.

Havana, 2 jun (EFE).- Fábricas em ruínas e armazéns abandonados em diferentes pontos de Havana ressurgiram nos últimos meses como centros culturais graças a projetos e investimentos de artistas cubanos e do Estado, uma iniciativa que, no longo prazo, pode mudar a paisagem da cidade.

Dali saíram galerias, salas de teatro, bibliotecas e pequenos jardins, que reúnem um público de arte e boêmia, moradores, estudantes, turistas.

Em El Vedado, o que antes era uma fábrica de refrigeradores reabriu transformada em uma eclética sala de teatro com o espetáculo de "El Cervo Encantado", uma companhia que durante quase 20 anos se apresentou por igrejas, salas de aula e locais velhos e se caracterizou por levantar seu palco em "lixões".

"Isto era um desastre. Tudo estava destruído há um ano. Quando vi me pareceu impossível que pudesse ser feito algo, mas disse a mim mesmo: é preciso ter fé", disse à Agência Efe Nelda Castillo, líder do grupo, cuja nova sede foi subvencionada pelo Ministério de Cultura.

A poucos metros dali, no imóvel de uma antiga indústria de azeite, foi inaugurada em fevereiro a sede do ambicioso projeto Fábrica de Arte Cubana (FAC), com espaço interativo para música, audiovisual, moda, fotografia, artes plásticas e cênicas.

Liderada pelo músico e diretor X Alfonso, a FAC se tornou em poucos dias em lugar da moda e referência por ser um "projeto cultural autofinanciado", mesmo tendo contado com o apoio das autoridades.

Outra experiência liderada por um artista surgiu em janeiro na zona oeste da cidade, onde o artista plástico Kcho aproveitou o espaço de uma oficina de conserto de ônibus em desuso para criar seu "Kcho Estúdio Romerillo Laboratório para a Arte", um complexo de galerias, biblioteca e teatro, sem fins lucrativos e com forte vocação comunitária.

Kcho, nome artístico do pintor e escultor Alexis Leyva Machado, explicou à Efe que Romerillo é uma comunidade em que investiu os lucros gerados por sua própria obra com o objetivo de levantar "um espaço para o diálogo, a cultura, o conhecimento e a paz", que já foi visitado por milhares de pessoas.

O trabalho de restauração se estendeu a parques, ruas e luminárias da zona, mas o "Kcho Estúdio" é o eixo deste projeto cultural, tanto que a inauguração contou com a presença até do ex-presidente Fidel Castro.

Em Cuba, onde no meio das reformas econômicas do governo ainda existe uma complexa interação entre projetos estatais, privados e de cooperativas, as autoridades se mostram abertas às iniciativas particulares de artistas.

"São lugares nos quais trabalhamos em conjunto. O que nos interessa basicamente é que se promova o melhor da arte cubana e se essa é uma alternativa, é bem-vinda", declarou o ministro da Cultura, Julián González.

Segundo González, há várias experiências no país e a fórmula é positiva: em termos urbanísticos, dá uma "nova dimensão cultural" à cidade; melhora as condições de trabalho dos artistas e administra propostas "de alto nível" nas comunidades.

Para o futuro, anunciou, outra antiga fábrica de bicicletas e ônibus de El Vedado se transformará em centro cultural, e há ideias para transformar espaços em locais de ensaio de dança e oficinas para artistas plásticos.

Raúl Martín, diretor do grupo "Teatro da Lua", um dos mais prestigiados de Cuba, acredita que o sucesso de lugares como a FAC e o Romerillo "estimulam outros empreendedores e dá um excelente exemplo às instituições do Estado".

"Há muitos lugares abandonados com grandes possibilidades de serem aproveitados neste sentido", declarou à Efe.

Pelo menos em Havana, onde a deterioração de imóveis é um dos principais problemas, a lista de candidatos é ampla: cinemas e teatros, comércios, depósitos, livrarias.

Mas a própria história de Martín mostra que o processo pode ser complicado. Durante anos, o diretor tentou sem sorte levar à frente um projeto pessoal para restaurar um cinema de bairro fechado e instalar ali a sede de seu grupo, com um café e uma galeria.

Com recursos "próprios" e do Conselho Nacional das Artes Cênicas, Martín conseguiu construir um palco de ensaios dentro do cinema, mas no ano passado foi destruído como parte de um plano de reparação total do imóvel que parou aos poucos meses por "falta de materiais", detalhou.

Nelda Castillo ressaltou que nem todos os artistas podem impulsionar essas iniciativas com recursos próprios, como é seu caso, mas lembrou que, antes de terem uma sede permanente, ela e seus atores decidiram trabalhar quase na rua porque "na espera está a morte".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo