Topo

Entretenimento

Sebastião Salgado: "A fotografia deixou de ser memória"

24/05/2014 13h27

Múrcia, 24 mai (EFE).- O fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado disse neste sábado no festival Fotogenio, de Mazarrón (Múrcia, Espanha), que a fotografia deixou de ser memória e se tornou apenas uma imagem instantânea.

"Hoje a fotografia em geral mudou. Antes, qualquer um que saía de férias levava sua câmera, trazia as fotos, fazia cópias, as colocava em um álbum e essas fotografias eram fotografias. Eram mostradas aos filhos, dez anos depois já eram um pedacinho de sua história e, 30 anos mais tarde, a memória da família", comentou em entrevista coletiva.

No entanto, na opinião do brasileiro, isso acabou. "90% da fotografia é feita com telefones e fica dentro de uma memória. É uma imagem, mas já não é mais uma fotografia. A fotografia deixou de ser memória. É realmente uma instantânea", declarou.

O homem que se considera "possivelmente uma espécie de dinossauro", que segue neste trabalho "porque as pessoas ainda têm paciência para esperar" suas fotos, afirmou: "Quando você transforma sua vida, junto com as pessoas que fotografa, é como sua casa, sua forma de vida, e não é você quem tira as fotos. São as pessoas que estão diante de você que as oferece, trabalhando juntos".

"Para ser fotógrafo é preciso ser fotógrafo. Muita gente não consegue. É preciso sentir o enorme prazer de estar ali, de trabalhar como fotógrafo. Como jornalista é um sacrifício muito forte. É preciso ter esse prazer de passar horas e horas construindo sua imagem", explicou.

O fotógrafo brasileiro oferecerá esta tarde uma conferência sobre "Genesis", seu último trabalho, na oitava edição do festival, com cerca de mil pessoas na plateia.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento