Entretenimento

Especialistas questionam se nau encontrada é a da primeira viagem de Colombo

14/05/2014 15h49

Las Palmas de Gran Canaria (Espanha), 14 abr (EFE).- Historiadores especialistas nas viagens de Colombo a América questionaram a suposta caravela Santa Maria encontrada porque a descoberta entra em conflito com o próprio relato do almirante de que foi desmontada em 1492 e suas tábuas utilizadas para construir a Fortaleza de La Navidad, no Haiti.

O achado feito em águas haitianas surpreendeu alguns dos principais especialistas espanhóis em Colombo reunidos na Grã Canária, onde nesta quarta-feira começa um seminário dedicado às verdades e mitos que circulam sobre o navegante.

O acadêmico do Real Academia da História da Espanha, Carlos Martínez Shaw, autor de uma reconhecida biografia do almirante, e a professora de História Moderna da UNED Marina Alfonso Mola, que dedicou parte de sua pesquisa ao marinheiro genovês, concordam: "Pode ser que seja uma Santa Maria. Pode ser que seja a de Colombo, mas não é a embarcação do descobrimento".

"Há muitas Santa Marias. De fato, Colombo levou outra Santa Maria na quarta viagem. Santa Marias houve centenas, mas justamente a da primeira viagem há documentos que relatam que ela encalhou, foi desmontada e os restos usados para a construção do forte", disse à Agência Efe Marina Alfonso Mola.

A professora defende, sem ver as provas encontradas, que "segundo a documentação confiável da época, sem manipulação alguma, não pode ser a Santa Maria", a caravela propriedade do navegante espanhol Juan de la Cosa em que Cristóvão Colombo dirigiu sua primeira expedição.

"O próprio Cristóvão Colombo narra no relato da primeira viagem: sofreu um naufrágio no qual a caravela Santa Maria de Juan de la Cosa ficou tão ruim que não se pôde ser arrumada. Portanto, foi desmontada para fazer tábuas e, com elas, se construiu um forte de madeira, o La Navidad, suficientemente grande que abrigava 39 pessoas", diz Martínez Shaw, que foi assessor histórico do filme "1492 - A Conquista do Paraíso" rodado por Ridley Scott.

A fortaleza estava localizada no norte da ilha onde hoje há o Haiti e a República Dominicana, mas dela nada se conservou.

Consultado pela Efe, José Luis Casado Soto, ex-diretor do Museu Marítimo do Cantábrico, autor do livro "Barcos utilizados por Colón para descubrir y volver" (2006) (sem tradução para o Português), afirma que essa notícia do achado da embarcação do descobrimento, "tal como está, deve ser colocada entre parêntese, entre aspas e em papel celofane até que vejamos evidências".

Casado Soto adverte que a suposta descoberta foi realizada por pesquisadores privados americanos que podem ter interesses e não se sabe quais seriam eles. Ele afirma que não confiará totalmente até que o apresentem "documentos fósseis inequívocos"; ou seja, cerâmicas, armas, itens de vestuário ou outros objetos do barco.

Ele também acredita que possa ser um Santa Maria, mas questiona outros dados: a Santa Maria de Juan de la Cosa encalhou em águas superficiais, onde era fácil recuperar seus restos e em uma região que, com o passar dos séculos, sofreu múltiplas modificações. "Hoje certamente é terra".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo