Topo

Entretenimento

Teatro de Trancoso: um monumento à cultura no sul da Bahia

Felipe Kopanski

22/03/2014 14h38

Porto Seguro, 21 mar (EFE) - Embora ainda não tenha um nome oficial, o Teatro Mozarteum Brasileiro, ou Música em Trancoso, inaugurado em paralelo ao festival que encerra sua terceira edição neste sábado, ganhou notoriedade como o mais novo teatro do país, mas trata-se de um verdadeiro monumento à cultura, como defende o arquiteto responsável.

Projetado pelo luxemburguês François Valentiny, o teatro - como no filme teuto-peruano "Fitzcarraldo" (1982), de Werner Herzog - poderia ilustrar muito bem o sonho de um empreendimento faraônico em uma área inimaginável, mesmo que, neste caso, o alto Amazonas fosse o paradisíaco sul da Bahia.

No entanto, ao contrário da ficção, na qual a casa de ópera em meio à Floresta Amazônica aparecia como mais uma das alucinações de seu protagonista, o teatro de Trancoso virou realidade: o único no mundo a possuir duas plateias sobrepostas - uma superior aberta e uma inferior fechada, ambas com capacidade para 1.100 lugares.

O ideia do projeto, que, segundo Valentiny, nasceu após um jantar entre um grupo de amigos, incluindo Sabine Lovatelli, presidente do Mozarteum Brasileiro, e Reinold Geiger, um dos três homens mais ricos da Áustria, ganhou força devido ao amor dos idealizadores pela arte e, principalmente, por Trancoso, tanto que o mesmo foi inspirado nas belezas naturais da região.

Desta forma, em 2012, data do primeiro ano do festival, o projeto já estava totalmente desenhado, embora a edição tenha sido realizada em uma arena provisória, mas já com as características do que seria o teatro. No ano seguinte, a segunda edição já foi realizada na parte inferior do teatro, parcialmente construída, e a poeira tomou conta do local.

O fato é que a imponente construção, situada a um quilômetro e meio da entrada do Club Med, foi construída em apenas dois anos, um tempo recorde levando em consideração as condições do lugar. Mas, para o renomado arquiteto luxemburguês, o mais preocupante era a questão da acústica.

"Para mim, o importante neste projeto era incorporar o espírito do lugar, em suas formas e expressões. Era conciliar suas exigências com o lado artístico, as diferenças entre construção e estilos de construção, já que estávamos diante de 2 mil elementos para encontrar uma geometria, uma geometria orgânica. Por isso, a construção é um pouco complicada, mas nada tão dificultosa", revelou o arquiteto, que ressaltou que a obra contou com mais de 150 operários.

"É muito diferente construir prédios convencionais e salas de concerto. Os escritórios que criamos, depois que acabamos, não mantemos com eles nenhum tipo de vinculo, passam a ser dos donos. Os teatros, ao contrário, são feitos para as pessoas. Na verdade, são como monumentos à cultura", completou Valentiny, responsável pela Sala de Concertos Saarbrucken (na Alemanha), a Casa de Mozart (na Áustria) e o Pavilhão de Luxemburgo em Xangai.

Adorador dos desenhos e das esculturas, uma das características de seus projetos, Valentiny relatou que a estética do prédio está diretamente ligada à questão acústica, tendo em vista que a chamativa concha da arena externa também possui a função de rebater o que é projetado no palco - "como uma bola de ping-pong", explicou o arquiteto, que possui empreendimentos na China e dois escritórios na Europa.

Apesar de ter acompanhado a obra somente nos dois últimos meses finais, o luxemburguês garante ter acompanhado a obra diariamente através de sua equipe. Por conta do curto espaço de tempo em relação à estreia do festival, o teatro passou por seu primeiro teste somente no dia da abertura, quando Valentiny não conseguia conter o sorriso e, inclusive, as lágrimas.

"É uma sensação que não consigo descrever. É tão fantástico e maravilhoso. Estava um pouco apreensivo, mas a reação dos músicos foi a melhor possível e, por isso, me senti realizado", finalizou o luxemburguês ainda emocionado com a inauguração do teatro, que, por sinal, ainda conta com um estiloso prédio térreo (o Facilities) com estruturas de bar, banheiros e salas de ensaio.

O prédio anexo, que traz dois imponentes painéis gravados em bronze, ambos assinados pela renomada artista ítalo-brasileira Maria Bonomi, integra o espaço do chamado Centro Cultural, situado em meio ao campo de golfe do condomínio Terravista, onde também há uma grande obra (Trópicos) da artista plástica Bia Doria.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento