Entretenimento

Hiper-realismo "solitário e deprimido" de Ron Mueck desembarca no Rio

Da EFE, no Rio

19/03/2014 19h50

As esculturas hiper-realistas do australiano Ron Mueck desembarcaram no MAM (Museu de Arte Moderna) do Rio de Janeiro com o tradicional estilo "solitário e um pouco deprimido", como define o presidente do centro cultural, Carlos Alberto Gouvêa.

A exposição, intitulada "Ron Mueck" e que foi inaugurada na quarta-feira (19), chega ao Rio de Janeiro após um êxito sem comparações em Buenos Aires, onde as obras do australiano desembarcaram pela primeira vez na América Latina, e permanecerá na cidade brasileira até o próximo dia 1 de junho.

Antes de chegar à América Latina, a exposição também alcançou um êxito sem precedentes na Fundação Cartier de Paris, onde mais de 300 mil pessoas foram até a galeria francesa para admirar a arte de Mueck. "Eu acho que a resposta do público vai a ser excelente também (no Rio de Janeiro), esperamos uma média de quase três mil pessoas por dia e entre 200 mil e 250 mil visitantes no total", comentou Gouveia à Agência EFE.

Na exposição, cada detalhe é medido milimetricamente para gerar no visitante a sensação de precisão procurada pelo artista. Desde a "Young Couple" (Casal jovem) até os idosos deitados sobre um guarda-sol na escultura "Couple Under an Umbrella", os cariocas poderão se fascinar com o nível de realismo alcançado por Mueck.


Rugas, galhos de árvore e a expressões no rosto mostram um detalhismo precioso que surpreenderá os visitantes. "A primeira impressão é ficar surpreso com os mínimos detalhes, mas depois você observa direito e vê outras qualidades como a leitura da obra e que todas têm alguma história relacionada com ele -Mueck-. Você percebe que ele é uma pessoa um pouco solitária e deprimida", resume Gouvêa.

O conjunto de nove obras enchem o espaço do MAM. Entre elas, o olhar do visitante não pode deixar de admirar o autorretrato que o artista australiano fez na escultura "Mask 2" (Máscara 2). Mueck se representa dormindo, estado no qual, segundo assegura, cria suas próprias obras.

Dentre essas obras, três foram criadas exclusivamente para a exposição e são, na opinião de Gouvêa, "os trabalhos de um artista único. Ele é ele e as obras são impressionantes". A principal diferença entre a exposição no Rio de Janeiro e as duas precedentes em Paris e Buenos Aires está no espaço expositivo, já que o MAM conta com grandes espaços que permitem ter uma visão global da mostra.

Neste sentido, Gouvêa assegurou à Agência EFE que "os comissários estão encantados" ao oferecer ao MAM a possibilidade de ver ao mesmo tempo até seis obras que "estão respirando" graças ao espaço que têm a seu redor.

Mueck, residente em Londres, onde trabalha em um estúdio com um grupo de colaboradores muito próximos, utiliza resinas, fibra de vidro, silicone e pintura acrílica para dar uma aparência real a suas esculturas.

A exposição é complementada com um documentário inédito "Still Life: Ron Mueck at Work", que foi produzido para a exposição original na Fundação Cartier.

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Entretenimento

Topo