Topo

Entretenimento

Projeto quer criar cidade flutuante para milhares de pessoas

26/12/2013 17h09

Miami, 26 dez (EFE).- Uma empresa da Flórida, nos Estados Unidos, está por trás da construção de uma cidade-navio que permitirá a seus moradores percorrer o mundo sem abandonar as atividades da vida cotidiana como trabalhar, estudar e comprar.

Em entrevista à Agência Efe, o promotor imobiliário Roger Gooch, vice-presidente da empresa Freedom Ship International, expôs as origens e filosofia de um projeto em que está embarcado há 15 anos, mas que só foi divulgado publicamente este mês.

Também falou das dificuldades para torná-lo realidade, principalmente pelo alto custo.

Com 1.372,5 metros de comprimento, 228,7 de largura e 106,7 de altura, a grande cidade-navio Freedom Ship of the Seas seria capaz, segundo os criadores, de abrigar de 50 mil a 100 mil pessoas divididas em 17 mil apartamentos e dar a volta ao mundo em um período de dois anos.

O projeto se divulga como "um lugar ideal para viver ou desenvolver uma empresa, uma comunidade amigável, segura e protegida com grandes extensões de espaço aberto de entretenimento e instalações recreativas", tudo isto em um deslocamento contínuo por todo o mundo.

"O conceito do Freedom Ship foi concebido pelo engenheiro Norman Nixon na década de 1990. Trabalhamos no projeto com Norman durante anos, e que demorou a se concretizar por falta de capital", disse Gooch a Efe.

Infelizmente, contou, Nixon morreu este ano "e estamos tentando levar sua visão à realidade".

A tarefa não é fácil, e embora a resposta, segundo Gooch, tenha sido bastante positiva desde que o projeto foi divulgado no início do mês, o certo é que precisa de um investimento inicial de US$ 1 bilhão.

"O projeto ficou parado devido aos problemas econômicos mundiais nos últimos anos. Agora que há uma recuperação econômica estamos tentando saber se há suficiente interesse global e potencial de capital de risco para a construção do navio", detalhou Gooch.

Uma vez conseguido o dinheiro, 10% do total estimado, vindo de investidores ou do público em geral, explicou o empresário, "começaríamos com o projeto primário e as obras de engenharia para as fases principais de construção, o que levaria de 3 a 5 anos".

"O objetivo principal do projeto e da engenharia é a segurança da embarcação e de todos seus habitantes" explicou ao detalhar que esta enorme embarcação se deslocará graças à propulsão de centenas de motores elétricos, conhecidos como Azipods, que atualmente são utilizados nos principais cruzeiros.

Assim, Freedom Ship of the Seas, pensado para ser quatro vezes maior que o transatlântico Queen Mary, passará 70% do tempo em alto-mar em frente a cidades importantes dos cinco continentes e 30% em trânsito.

"Desde que começamos a falar deste projeto há algumas semanas, o e-mail da empresa se viu inundado. Foi uma resposta impressionante que nos encheu de esperança que Freedom Ship of the Seas possa se tornar realidade", finalizou Gooch.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento