Entretenimento

Mandela, uma impecável vida pública marcada por turbulências privadas

05/12/2013 21h46

Marcel Gascón.

Johanesburgo, 6 dez (EFE).- Nelson Mandela, que morreu nesta quinta-feira aos 95 anos, lamentou várias vezes que seu compromisso com seu povo o tenha feito descuidar de certo modo de sua família, cujas polêmicas e disputas internas marcaram os últimos meses de vida do ex-presidente.

Mandela teve devoção por um só partido - o Congresso Nacional Africano (CNA) e, quase desde o princípio, um credo não racial e democrático que seguiu sempre, sem vacilações.

No âmbito privado, por outro lado, os rigores da luta contra o regime de segregação racial do "apartheid" tornaram mais perigosa sua vida pessoal.

"A luta consumia todo o tempo. Um homem envolvido na luta era um homem sem vida familiar", admitiu Mandela em sua autobiografia "O longo caminho para a liberdade".

Além disso, a infelicidade na vida pessoal bateu mais de uma vez na porta do estadista, que viveu dois divórcios e viu três filhos morrerem.

Os destinos de Madiba, como é carinhosamente conhecido em seu país, e sua primeira esposa, Evelyn Mase, se separaram em 1958, devido, em parte, ao ativismo de Mandela.

Evelyn sonhava com uma vida tranquila no Transeki, a região natal deles, na atual província do Cabo Oriental (no sudeste), mas seu marido parecia chamado a mais altas responsabilidades, e seu fervorosa atividade política e sua vontade de permanecer em Johanesburgo precipitaram o rompimento.

Também não teve o casal sorte com filhos: a primeira filha, Makaziwe, morreu em 1948 logo depois de nascer; o primogênito Thembekile perdeu a vida em 1969 em um acidente e seu irmão Magkatho morreu em 2005 como consequência da Aids.

Do casamento só sobreviveu a segunda filha, Makaziwe, batizada em homenagem a sua falecida irmã.

Em 1958 Mandela se voltou a casar, apaixonadíssimo, por Winnie Madikizela, com quem teve duas filhas, Zenani e Zindzi, e compartilharia as penalidades da clandestinidade.

No entanto, a vida em comum dos pombinhos foi interrompida em 1962, quando Mandela foi preso por suas ações contra o "apartheid".

Durante seus 27 anos na prisão, Winnie foi seu apoio pessoal e político e o primeiro motivo privado, junto com suas filhas, para resistir em cativeiro.

Ao ser libertado em 1990, o herói público encontrou em casa uma mulher fria e distante, que nem sequer dormia com ele e tinha tido um caso com um guarda-costas, o que desembocou em 1996 em seu segundo divórcio.

Madiba se voltou a casar em 1998, aos 80 anos, com a viúva do presidente moçambicano Samora Machel, Graça Machel, 27 anos mais jovem que ele e a quem Winnie chamou - com algo de rancor - de"essa concubina".

Nos últimos meses de vida de Mandela, Machel não se separou do homem "solitário" a quem fez feliz e foi mais louvada por sua discrição, diante das estridências de outros membros da família Mandela.

Em junho, enquanto o ex-presidente estava hospitalizado em estado grave, a divisão de sua família apareceu em público.

Makaziwe e outros quinze integrantes do clã Mandela - entre eles a própria Machel - pediram na Justiça o retorno dos restos dos três filhos já falecidos de Madiba ao lugar de onde tinha desenterrado Mandla, o neto mais velho do ex-presidente, dois anos antes.

A iniciativa do grupo revelava que Mandla tinha exumado os ossos na cidade de Qunu (no sudoeste) sem permissão de seus tias e os tinha enterrado próximo a Mvezo.

Qunu é a cidade onde Mandela cresceu, viveu até adoecer e onde queria ser enterrado.

Em Mvezo nasceu Mandela e ali é Mandla é chefe tradicional e enfrenta Makaziwe pelo controle do clã.

A disputa se resolveu em quatro de julho, quando, aplicando a decisão judicial, os restos dos três filhos de Mandela - entre eles o pai de Mandla, Makgatho - retornaram a Qunu.

Não era, no entanto, a primeira batalha legal que enfrentava à família.

Em abril 17 membros do clã liderados por Makaziwe e Zenani iniciaram uma ação legal para conseguir o controle das duas empresas fundadas por seu pai.

Os litigantes pediram a suspensão como diretores de duas companhias de gestão do patrimônio do ex-presidente de um antigo advogado de Madiba e de dois de seus companheiros políticos.

As filhas questionam que foi seu quem nomeou o ex-ministro Tokyo Sexwale e o advogado George Bizos, ambos ex-ativistas "antiapartheid", assim como o advogado Bally Chuene, em postos de direção destas empresas.

As companhias administram o dinheiro gerado por uma série de obras que se aproveitam das marcas produzidas pelas mãos de Nelson Mandela.

O processo, ainda aberto, representa um ataque dos Mandela a algumas das pessoas mais próximas a Madiba durante sua vida.

As brigas públicas dos Mandela escandalizaram muitos sul-africanos, entre eles o arcebispo emérito da Cidade do Cabo e prêmio Nobel da Paz, Desmond Tutu, que exigiu com dureza que parassem de "cuspir na cara" ao ex-presidente.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo