Entretenimento

Autor de retrato da família real dinamarquesa se diz orgulhoso pelas críticas

Reprodução/Museu Amaliemborg
Retrato oficial da família real dinamarquesa pintado por Thomas Kluge Imagem: Reprodução/Museu Amaliemborg

De Copenhague (Dinarmaca)

26/11/2013 15h27Atualizada em 26/11/2013 15h58

O pintor Thomas Kluge, autor do último e polêmico retrato da família real dinamarquesa, disse nesta terça-feira (26) que se sente "orgulhoso" e "um pouco contente" com as reações provocadas pelo quadro, que, por sinal, chegou a ser comparado a um pôster de filme de terror pela imprensa local.

Em entrevista à Agência Efe, o artista dinamarquês, 44, ressaltou que não pode controlar as reações do público e que se trata de "uma questão de democracia", embora tenha admitido que a repercussão da obra, inclusive no exterior, lhe trouxe uma publicidade que não o prejudica.

"Surpreendeu-me, já que eu não buscava nenhum escândalo. Também é muito diferente ver a obra pessoalmente e através de uma imagem, o efeito é outro... Mas, no fundo, estou um pouco contente e orgulhoso por tudo", confessou.

"A Família Real", o primeiro retrato oficial de um monarca dinamarquês com seus parentes desde o final do século 19, faz parte de uma exibição inaugurada recentemente no museu do Palácio de Amalienborg, em Copenhague.

Filme de terror

Desde sua apresentação, a obra recebeu diversas críticas mordazes da imprensa dinamarquesa; alguns compararam seu ar lúgubre com o de filmes como "O Iluminado", enquanto o príncipe Christian, filho do herdeiro Federico e que aparece no meio do quadro, foi comparado com o menino de "A Profecia".

"Queria mostrar como a família real é algo que pertence ao passado, o presente e o futuro. Por isso o príncipe está no meio, esperando seu encontro com o futuro", justificou Kluge, que acrescentou que seus filhos não se "assustaram" ao ver a imagem.

De acordo com a interpretação do autor, o futuro rei dinamarquês, de apenas 8 anos, se encontra entre sua condição de criança e as obrigações que deverá enfrentar como adulto, quando assumir seu papel de herdeiro, algo que justifica sua seriedade no retrato.

A família real é algo "muito simbólico" para o pintor, que a considera como "uma parte de nosso DNA" e, por isso, acredita que as interpretações negativas do quadro também se relacionam com o fato de Margarida 2ª e sua prole não estar "em uma cerimônia ou tomando um chá".

Kluge é um pintor reconhecido na Dinamarca e, antes de se tornar pivô de uma grande polêmica, realizou outros cinco retratos individuais de vários membros da família real, incluindo o da rainha Margarida 2ª.

"A Família Real", fruto de um trabalho de quatro anos, é o primeiro retrato coletivo de um monarca dinamarquês desde "Imagens de Fredensborg" (1880), que mostrava Christian 9º, a rainha Luisa e seus descendentes, uma obra que Kluge diz ter usado como referência.

Uma vez encerrada a exposição em março, o quadro será levado ao Salão Amarelo do Palácio de Fredensborg, ao norte da capital, onde ficará exposto no futuro, segundo a Casa Real, que, apesar das criticas, permanece alheia à polêmica.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo