Entretenimento

Fernández Mallo considera Brasil um espaço natural para Projeto Nocilla

23/11/2013 13h38

Rio de Janeiro, 23 nov (EFE).- O Brasil, terra de imensas fronteiras e com capacidade para assimilar outras culturas, é naturalmente receptivo para o Projeto Nocilla, acredita o escritor espanhol Agustín Fernández Mallo,o principal expoente da chamada Geração Nocilla.

"A recepção do Projeto Nocilla no Brasil ultrapassou todas minhas expectativas", disse em entrevista exclusiva a Agência Efe o escritor, músico e físico de profissão, que desembarcou esta semana no Rio de Janeiro para participar da Festa Literária das Periferias (Flupp).

O romancista e poeta galego, nascido em La Coruña em 1967, considera um "luxo" e se diz "muito esperançoso" com a possibilidade de poder apresentar sua visão de mundo e sua obra na Flupp, que reúne escritores de vários países em favelas do Rio, com uma programação dirigida especialmente para os moradores das comunidades.

Fernández Mallo foi o impulsor em 2009 do Projeto Nocilla, um exercício de renovação literária que desaguou na trilogia "Nocilla Dream", "Nocilla Experience", e "Nocilla Lab", que foi premiada e muito bem avaliada pela crítica.

O escritor participará de um bate papo com o romancista brasileiro Reinaldo Moraes na sede da ONG AfroReggae, em Vigário Geral. Segundo ele, suas ideias se encaixam bem em um país como o Brasil.

"Em uma segunda leitura, o Brasil é uma terra de fronteiras e de miscigenação, com grande tradição de assimilação de outras culturas, e meus livros tratam em parte disso: o DNA criador que aparece nos lugares de fronteira", explicou.

Fernández Mallo acrescentou que, na trilogia do Projeto Nocilla, "centenas de personagens de todo o planeta estão sutilmente conectados por fios poéticos, metáforas, e formam assim um mosaico contemporâneo".

O escritor afirmou que o projeto "está estruturado como uma rede, e tem duas coisas que eu destaco: a forte carga poética, e a especial atenção à sociedade de consumo".

Apesar esses vínculos, o escritor disse não ter certeza "que haja laços suficientes entre Espanha e Brasil".

"Acho que além dos tópicos, na Espanha não conhecemos o Brasil, e vice-versa. Esta viagem será para mim um bom momento para ver como se rompe essa barreira", afirmou o autor, cuja participação na Flupp contou com o apoio do Instituto Cervantes no Rio de Janeiro.

O autor galego adiantou que em seu encontro com Moraes, além de ler alguns de seus poemas, se propõe abordar novas formas de criação literária.

"Quero mostrar a maneira como experimento as coisas e como isso ocasionalmente me leva a encontrar novas maneiras de expressão. Venho do mundo das ciências. Minha formação acadêmica -e minha profissão - é a física. Como sabe, nas ciências estamos sempre experimentando, e muitas vezes pelo puro prazer de achar um caminho, embora não tenha uma aplicação prática direta", afirmou.

O escritor espanhol elogiou a Flupp ser uma feira literária organizada em uma favela, e voltada para um público diferente do habitual, algo para ele "insólito, e uma ideia verdadeiramente potente". "Fazem falta coisas assim", acrescentou.

Quanto aos novos projetos, Mallo revelou que em janeiro será lançado na Espanha seu novo romance, "Limbo" e que está trabalha em outros dois, em um livro de poemas e em um ensaio. "Desse modo não me dá tempo de me aborrecer", brincou.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo