Entretenimento

Com pavilhão de papel, Brasil homenageia autores clássicos em Frankfurt

Michael Probst/AP
Visitantes caminham em frente ao stand com a imagem da personagem Menino Maluquinho, do cartunista e escritor Ziraldo, e de outros cartunistas no pavilhão Brasil da Feira Literária de Frankfurt, na Alemanha. Neste ano, o Brasil é o grande homenageado do evento Imagem: Michael Probst/AP

Rodrigo Zuleta

De Frankfurt (Alemanha)

08/10/2013 12h54Atualizada em 08/10/2013 16h02

O pavilhão do Brasil, convidado de honra neste ano à Feira do Livro de Frankfurt, apresentou nesta terça-feira (8), em plena era digital, uma homenagem ao papel e à variada literatura do país sul-americano.

"Os livros estão dando um passo rumo à digitalização e talvez isso seja irreversível. Mas o papel nos acompanhou durante 500 anos, precisávamos fazer uma homenagem", disse Daniela Thomas, uma das cenógrafas do pavilhão.

Daniela, junto com o arquiteto Felipe Tassara, optou por construir boa parte do pavilhão com papel prensado e papelão. É possível reconhecer o elemento papel, mas é preciso se aproximar e tocá-lo.

Em uma das áreas do pavilhão há colunas, que parecem de madeira, onde aparecem personagens clássicos da literatura brasileira, como a inesquecível Dona Flor de Jorge Amado, o Macunaíma de Mário de Andrade ou "O Analista de Bagé" de Luis Fernando Verissimo.

Quando o visitante se aproxima, percebe que o material não é madeira, mas papel, e que pode arrancar a folha de cima, que contém uma descrição do personagem homenageado.

Várias vozes

Em outro cantinho há redes onde os visitantes podem se deitar e escutar canções de vozes como Chico Buarque e Caetano Veloso, frente a monitores nos quais se podem ler as letras traduzidas ao inglês ou ao alemão.

"Esse pavilhão é para que as pessoas venham, descubram coisas, se sintam bem e para que não pensem só no Brasil, mas também em si mesmos", afirmou a cenógrafa.

"Também poderão ser ouvidas leituras dos autores que participarão da feira durante esses dias e de vez em quando tomar uma ou outra caipirinha", acrescentou Daniela.

Outra atração é pedalar em bicicletas fixas com capacetes que tocam passagens da história política e da literatura do Brasil, assistindo a monitores com imagens que as ilustram.

Apesar da alusão à caipirinha, Daniela também disse que a apresentação quer superar os estereótipos que se têm na Europa sobre o Brasil, relacionados antes de tudo com o futebol e o samba.

"Tivemos outros diálogos com a Europa como, por exemplo, através do modernismo arquitetônico brasileiro, que assumiu influências europeias para transformá-las e, depois, influir sobre a Europa", analisou Daniela.

Seguindo essa proposta, algumas partes do pavilhão são uma clara homenagem a Oscar Niemeyer, onde são reproduzidos, em papel prensando, alguns de seus edifícios mais emblemáticos.

O pavilhão quis ser fiel ao lema da apresentação brasileira, que anuncia "um país cheio de vozes".

Assim, por exemplo, em uma instalação dedicada a diversas paisagens brasileiras - a cidade, o subúrbio, o campo, o sertão, o mar e a floresta - recorre a várias colagens de textos literários de diversos autores sobre cada um desses temas.

A colagem sobre a floresta é aberta com um fragmento de Milton Hatoum e fechada com um de Alberto Mussa; a urbana é aberta por Machado de Assis e seguida por Mário de Andrade e, como para mostrar que a literatura brasileira não se prende ao tema Brasil, surge Chico Buarque com seu romance "Budapeste".

Essa variedade, que na exposição do pavilhão é representada pelos autores clássicos da literatura brasileira - de Machado de Assis a Clarice Lispector e Jorge Amado - no programa de atividades, a partir de quarta, será representado por autores contemporâneos de diversos gêneros e diversas regiões.

 

Ausência

Segundo as últimas notícias, um ausente inesperado será Paulo Coelho, cuja presença havia sido anunciada pela feira.

Em declarações ao jornal alemão "Die Welt", Coelho anunciou sua intenção de não vir porque, disse, não estava de acordo com a seleção dos 70 autores convidados. "Dos 70, só conheço 20, os outros devem ser amigos de amigos", disse.

A Feira de Frankfurt, que começa nesta terça-feira e quarta abrirá as portas para os profissionais do setor, recebe 7.300 expositores de cerca de 100 países, sendo a maior vitrine do mundo editorial.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo