PUBLICIDADE
Topo

Saint Laurent por Slimane no verão é curto e andrógino

30/09/2013 20h53

Mercedes Álvarez.

Paris, 30 set (EFE).- Na Semana da Moda de Paris, a controvertido e admirado Hedi Slimane apresentou nesta segunda-feira sua coleção de primavera-verão feminina para Saint Laurent, que se na qual se dividiu entre os minivestidos e o look andrógino.

Na sala na qual quem Saint Laurent sempre desfila no Grand Palais, a penumbra recebeu o público que só conseguia ver grandes estruturas metálicas sobre a passarela e andaimes no exterior que abrigavam tênues focos de luz branca.

A instalação revelou sua verdadeira natureza quando começaram a soar as primeiras notas musicais. Várias linhas metálicas desenhando triângulos se acenderam, e como pás de moinho, abriram o caminho para as modelos.

Foi então quando apareceu a primeira delas que se indicava algumas linhas da coleção: um microvestido, brilhante, com um pronunciado decote em "V" que descia até debaixo o esterno, e ombreiras que sobressaíram retas sobre o braço descoberto.

Com um sopro de ficção científico, deslizaram pela passaram roupas de manga longa douradas e de couro com uma pegada rocker.

O outro roteiro que Slimane seguiu foi o dos blazers de manga comprida com ombreiras "oitentistas", que trabalhou tanto na seriedade da risca de giz, como na fantasia das linhas que brilharam com lantejoulas.

As jaquetas fizeram conjunto com as adoradas calças cigarrete Slimane, que subiram quase até o umbigo, e que levaram com uma estética muito formal de camisa branca e gravata fina negra ou gravata borboleta.

O costureiro franco-ítalo-tunisiano, estabelecido em Los Angeles aproxima sua linha feminina do "look" andrógino que tão bons resultados o deu na moda masculina.

No entanto, continuou com seus vestidos curtos que serão tendência, ou com as minissaias apertadas, para a próxima primavera-verão.

Outra constante da coleção de Saint Laurent foi a assimetria que deixou um ombro descoberto e cobriu com muito volume o outro.

Os lábios vermelhos, que contaram também com uma versão em lantejoulas, se uniram para dar vida a uma estampa.

A imitação de pele de tigre recobriu as lapelas de uma jaqueta de couro e evoluiu ao vermelho brilhante em um vestido atado com um laço negro na cintura.

A atriz mexicana Salma Hayek, esposa de François-Henri Pinaud, presidente do grupo Kering, a que pertence Saint Laurent, a propósito da coleção.

O cantor e compositor americano Lenny Kravitz foi um dos convidados do desfile, e também estavam na primeira fileira Jean-Paul Gaultier e a diretora da "Vogue" americana, Anna Wintour.

Hedi Slimane assumiu a Saint Laurent há um ano e desde então deu muito que falar.

Seus críticos consideram que se afastou da herança da casa e que seu design se assemelha ao das lojas de departamentos e não ao que se espera de uma casa de renome.

O costureiro conta com o apoio, entre outros, da influente Wintour e de uma repercussão na rua que demonstra que suas roupas agradam.

Com esta quinta coleção, Slimane deixa claro que quer seguir pelo caminho que empreendeu em Saint Laurent.EFE

mas/cd

(foto)