PUBLICIDADE
Topo

Rock in Rio honra seu nome em sua 2ª noite de shows

15/09/2013 01h46

Manuel Pérez Bella.

Rio de Janeiro, 14 set (EFE).- O Rock in Rio honrou neste sábado seu nome e dedicou sua segunda noite ao rock, com os shows com muitos decibéis de Muse, Thirty Seconds to Mars, The Offspring e Capital Inicial.

A banda britânica Muse, com seu rock obscuro, carregado de mensagens metafísicas, foi a principal atração e entrou no palco pouco depois da meia-noite, com os acordes pesados de "Supremacy", do último disco do grupo, suavizados pela voz em falsete de Matthew Bellamy, que animou o público desde o primeiro instante.

O público tinha um perfil mais roqueiro, como era visível até nas roupas de muitos dos 85 mil espectadores presentes na Cidade do Rock, que em grande medida usavam camisetas pretas típicas deste estilo musical.

No programa do grupo britânico não faltaram suas músicas mais populares, como "Uprising", "Starlight" e "Survival", canção oficial dos Jogos Olímpicos de Londres 2012, que deixaram para o final do espetáculo, fechado por Bellamy tocando "Knights" e enrolado em uma bandeira do Brasil.

Antes, o grupo Florence and the Machine deu um toque místico à noite de rock, com a potência de voz da intérprete, Florence Welsh, que mostrou grande habilidade para conduzir o público percorrendo o palco de ponta a ponta.

O grupo americano Thirty Seconds to Mars fez um show cheio de energia, muito interativo, com balões, acrobatas, papel picado e no qual seus fãs puderam se divertir muito com as excentricidades de seu líder, o cantor e ator Jared Leto.

Leto, fantasiado com uma camiseta branca com a legenda em inglês "Amo a Rio", subiu na tirolesa instalada em frente ao Palco Mundo e voou acima de dezenas de milhares de pessoas pouco antes de cantar "Up In The Air", de seu último disco e com a qual fechou sua apresentação.

Todos os integrantes da banda puseram a camisa da seleção brasileira de futebol e permitiram que alguns poucos espectadores subissem ao palco enquanto tocavam as últimas canções.

O palco principal também teve espaço para os brasileiros do Capital Inicial, que relembrou seus anos dourados dos anos 80 e 90.

Um dos shows mais esperados de todo o Rock in Rio era o da banda californiana The Offspring, que deu um espetáculo cheio de adrenalina com todo seu repertório de sucessos dos anos 90.

O "show", de pouco mais de uma hora, deixou os fãs com água na boca devido ao menor espaço em frente ao palco Sunset, onde a banda californiana tocou por decisão da organização, mas não sem polêmica.

O público se espremeu em frente ao palco e muitos tiveram que se conformar em ver o show nas laterais, aonde o som dos alto-falantes não chegava com plena potência, o que gerou protestos no setor afetado.

O Sunset também não tem telões como no palco principal, por isso que os fãs mais baixos, em sua maioria mulheres, tiveram que acompanhar a interpretação do cantor Dexter Holland através das telas dos telefones com câmera com os quais os mais altos gravavam o espetáculo.

O Rock in Rio começou na sexta-feira, com Beyoncé como show principal e terá outras cinco noites: neste domingo e entre quinta-feira e domingo da próxima semana.