Entretenimento

Morre Willi Sitte, o pintor do Politburo da Alemanha comunista

EFE
08.jun.2013 - Pintor alemão Willi Sitte, que morreu neste sábado aos 92 anos Imagem: EFE

08/06/2013 11h05

O pintor alemão Willi Sitte, expoente da arte por incumbência da extinta Alemanha comunista e retratista do Politburo germânico-oriental, faleceu aos 92 anos, informaram neste sábado fontes da fundação que leva seu nome.

O artista morreu em sua casa na cidade de Halle, no leste do país, em consequência de uma longa doença, acrescentou a fonte.

Presidente da Associação de Artes Plásticas da República Democrática Alemã (RDA) entre 1974 e 1988, era considerado o máximo representante do chamado realismo socialista alemão dos anos da Guerra Fria.

"Sua morte nos deixa profundamente abalados. Mas, ao mesmo tempo, nos impulsiona a trabalhar para a projeção futura de seu legado artístico", disse o presidente da Fundação Willi Sitte, Hans-Hubert Werner, em comunicado.

A entidade que leva o nome do artista, com sede em Merseburg, nos arredores de Berlim, conserva boa parte da produção do pintor, que ficou postergado dos circuitos artísticos após a queda do Muro (1989) e conseguinte dissolução da Alemanha Oriental (1990).

As obras denominadas de "propaganda" da extinta Alemanha comunista foram incluídas por alto em algumas grandes exposições recentes sobre a arte na RDA, como a que aconteceu na Neue Nationalgalerie de Berlim, em 2003, ou em Weimar, em 2012.

Em ambos os casos, a obra de Sitte esteve presente como exemplo da arte propagandística a serviço da RDA, em contraposição aos valores surgidos do outro lado do Muro.

Entre as obras mais características de Sitte está a "Homenagem a Lênin", considerada expoente dessa arte por encomenda ou subvencionada por parte do Politburo.

Sitte nasceu em fevereiro de 1921 em Kratzau, atual República Tcheca, se formou como artista já na Alemanha e serviu na Wehrmacht de Hitler até 1944, ano em que desertou para se unir aos partisans italianos.

Em Milão, Veneza e outras cidades italianas, ele viveu o pós-guerra, até que em 1947 retornou à Alemanha, mas na Alemanha Oriental, em cujo partido comunista único ingressou como militante.

A partir daí, começou a ser conhecido como artista oficial do regime germânico-oriental, apesar de manter inicialmente também posturas críticas para com autoridades do país. Ele também chegou a ser deputado da Assembleia Popular e principal responsável por sua Academia de Artes Plásticas.

Com a reunificação alemã, ficou afastado da vida artística até que, por ocasião de seu 85º aniversário, em 2006, foi criada a fundação que leva seu nome, e com isso readquiriu parte do prestígio do passado.

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo