PUBLICIDADE
Topo

Garçom confessa que gravou vídeo em que Romney critica os latinos

13/03/2013 14h27

Washington, 13 mar (EFE).- Um garçom afirma que foi o responsável pela gravação do vídeo secreto em maio de 2012 que acabou sepultando a campanha eleitoral do então candidato republicano à Presidência dos EUA, Mitt Romney, informou nesta quarta-feira o jornal "The Huffington Post".

O garçom dará sua primeira entrevista nesta noite em um programa da "MSNBC" e o jornal aceitou não indentificá-lo publicamente até sua difusão .

A entrevista do garçom será divulgada antes que Romney compareça perante uma conferência anual de líderes conservadores em Washington, no que seria seu primeiro grande discurso após perder a disputa presidencial para o líder Barack Obama em 6 de novembro.

No vídeo secreto, gravado em um evento de arrecadação de fundos em Boca Ratón (Flórida), em maio de 2012, mas divulgado em meados de setembro pela revista "Mother Jones", Romney diz que "47% dos americanos apoiavam Obama porque achavam que eram vítimas, não pagando impostos e sendo mantidos pelo Governo".

Segundo o jornal, o garçom tinha levado sua câmera ao evento de Romney pensando que o candidato tiraria fotos com membros da equipe de apoio e decidiu gravar os comentários do político porque, segundo disse à "MSNBC", sentiu "que devia mostrar ao povo o que Romney realmente pensava".

"Há 47% de pessoas que votarão no presidente de qualquer maneiras... há 47% que o apoiam, que dependem do Governo, que se acham vítimas, que acham que o Governo tem uma responsabilidade de zelar por eles, que acham que têm direito aos cuidados de saúde, comida, casa, o que for", disse Romney.

Romney também se referiu aos eleitores hispânicos, que nos EUA tradicionalmente votam mais no partido de Obama, o Democrata, usando seu pai George Romney, ex-governador de Michigan, como exemplo.

Ele "nasceu no México e, se tivesse nascido de pais mexicanos, eu teria uma melhor oportunidade de ganhar isto. Mas infelizmente ele nasceu de americanos que viviam no México... claro, é uma piada, mas ajudaria ser latino".

O vídeo foi divulgado e usado contra a campanha de Romney, que afirmou durante o resto da disputa que suas declarações não foram "elegantes", embora não tenha pedido desculpas.

A gravação chamou a atenção de titulares dentro e fora dos Estados Unidos e a maioria de observadores concordou que as declarações de Romney foram uma ferida que reforçou sua imagem de líder "desligado" das necessidades da classe média e, em última instância, contribuiu para sua derrota nas urnas em novembro passado.