Topo

Entretenimento

Estudo aponta que antepassados do escritor George Orwell eram proprietários de escravos

Divulgação/Companhia das Letras
O escritor inglês George Orwell Imagem: Divulgação/Companhia das Letras

27/02/2013 14h42

Os antepassados do escritor britânico George Orwell pertenceram a uma das 3 mil  famílias que receberam uma indenização após a abolição da escravidão no Reino Unido, segundo uma pesquisa docente publicada nesta quarta (27). 

O autor de "1984", cujo nome real era Eric Blair, era tataraneto de Charles Blair, um escocês que fez fortuna na Jamaica, onde possuía 218 escravos, antes de entrar totalmente na aristocracia inglesa.

O centro University College de Londres publicou hoje uma base de dados que dá detalhes dos pagamentos realizados às 3 mil famílias envolvidas com a escravidão no Caribe, nas ilhas Maurício e em uma região da atual África do Sul, em um total de 20 milhões de libras da época, o equivalente a R$ 5,151 milhões atuais.

"O grande descobrimento é que a posse de escravos no colonialismo britânico foi muito mais significativa do que até agora reconhecida", afirmou a diretora da pesquisa, Catherine Hall, à "BBC".

Os documentos históricos elevam a 12,5 milhões o número de pessoas que foram transportadas como escravos da África para a América desde o século XVI até que esse tráfico foi proibido em 1807, embora tenha sido apenas em 1833 que o parlamento britânico aboliu definitivamente a escravidão.

Outras figuras com antepassados relacionados com a escravidão são o atual primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, e o romancista Graham Greene, autor de "O Terceiro Homem", segundo o estudo divulgado nesta quarta-feira.

"A escravidão foi esquecida na história britânica. Foi lembrada mais a sua abolição do que o tráfico de escravos, e muita gente não conhece o passado do colonialismo em relação à escravidão", disse Hall.

A pesquisadora, também professora de história moderna, ressaltou que as solicitações para receber uma compensação vieram de todos os pontos do Reino Unido, com um "surpreendente" número de donos de escravos vindos da Escócia.

Apesar de a maioria dos nomes indenizados corresponderem a homens, a pesquisa também revela uma grande quantidade de mulheres que possuíam grandes fortunas, sobretudo no Caribe.

"Há poucas mulheres ricas, porque as mulheres casadas tinham muitas dificuldades para manter sua propriedade, por isso a maioria das que aparecem são solteiras e viúvas", explicou Hall.

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento