Entretenimento

Apresentada na Suíça a suposta primeira versão da Mona Lisa

Denis Balibouse/Reuters
Nova versão da Mona Lisa, de Leonardo Da Vinci, é apresentada na Suíça (27/9/12) Imagem: Denis Balibouse/Reuters

Marta Hurtado

27/09/2012 14h58

Leonardo da Vinci pintou o rosto de Lisa Gherardini, "a Gioconda", uma década antes de reproduzir o sorriso mais enigmático da história da arte, defendeu nesta quinta-feira (27) a Fundação Mona Lisa, com sede na Suíça e segundo a qual o famoso quadro exibido no Louvre é uma nova versão da apresentada hoje em Genebra e tida como a original.

Amparando-se em pareceres de um físico dos EUA, de um perito em imagens e de um especialista italiano na obra de Da Vinci, membros do grupo disseram, numa concorrida entrevista coletiva em Genebra, que o retrato de uma mulher que parece ser dez anos mais jovem que a Mona Lisa exposta no Louvre, em Paris, só pode ser obra do gênio renascentista.

"Os fatos são esmagadores, e claramente provam a autenticidade da obra-prima", disse o advogado suíço Markus Frey, presidente da Fundação Mona Lisa, entidade privada que garante não ter interesse financeiro na obra.

Stanley Feldman, historiador da arte e membro do grupo, disse que os críticos que rejeitaram a ideia de que essa "Mona Lisa jovem" possa ser de Da Vinci nunca a viram. "Convidamo-los a Genebra para estudá-la por si mesmos", acrescentou.

"Está absolutamente claro que nem esta nem a do Louvre são cópias", disse ele, numa clara resposta ao estudioso britânico Martin Kemp, especialista em Da Vinci, que disse na semana passada a um jornal londrino que "muita coisa está errada" com a pintura da fundação, inclusive o fato de ela ser pintada sobre tela, e não sobre madeira, suporte favorito do artista.

A fundação foi criada no ano passado a pedido do consórcio particular proprietário da imagem, encarregado de provar com toda a evidência histórica e científica disponível se a "primeira versão", como a chamam, foi também pintada pela mão esquerda de Leonardo.

A "primeira versão" foi conhecida por décadas como a Mona Lisa de Isleworth, em referência ao lugar onde vivia Hugh Blaker, o colecionador inglês que "a descobriu" pouco antes da Primeira Guerra Mundial.

Posteriormente, a obra foi adquirida pelo americano Henry F. Pulitzer, que se a deu à seu amada e, após sua morte, foi adquirida por um consórcio que a guardou em um banco suíço até 2003.

Segundo a teoria defendida hoje, Da Vinci começou a pintar por volta de 1503 o retrato de Lisa Gherardini a pedido do marido desta, o marchand florentino Francesco del Giocondo, mas deixou o quadro pela metade porque se viu obrigado a se mudar de Florença para Milão.

O fato de que o quadro esteja inacabado é um argumento usado para defender a autoria de Leonardo citando uma carta do cronista Giorgio Vasari, contemporâneo do artista, que dizia pelo menos duas vezes que a obra "estava inacabada".

No entanto, a Gioconda estava finalizada em 1517, como o afirma outro cronista, Antonio Beatis, que lembra que a obra foi paga por Giuliano de Médicis.

A Mona Lisa admirada por milhares de turistas que diariamente a visitam no Louvre parece claramente "maior" que a "primeira versão". A diferença de idade é outro dos argumentos para defender a obra, pois, segundo a fundação, se fosse uma cópia, quem a plagiou teria copiado exatamente a obra original.

O mesmo argumento é usado para o fato de que o bordado do vestido seja diferente, assim como o tamanho do quadro; que a base de uma obra seja um tecido, e a da outra madeira; e que na "versão original" não tenha sido usada a técnica de envernização da Gioconda, que só se desenvolveu a partir de 1508.

Outra razão alegada pela fundação para defender a "versão original" é de que Rafael pintou em 1504, após visitar Leonardo em seu estúdio, uma moça na mesma posição que a Gioconda, mas com um fundo muito mais parecido ao da "versão original" que o que se pode admirar no Louvre.

A fundação também contratou diversos especialistas que aplicaram as mais inovadoras técnicas ao comparar as duas obras.

"Baseando-me na experiência, não tenho nenhuma dúvida de que as duas pessoas retratadas são a mesma, com dez anos de diferença pelo menos", afirmou Joe Lumis, legista especializado em imagens que trabalha regularmente com o FBI e que envelheceu digitalmente a imagem da "primeira versão", e o resultado foi o rosto da admirada Mona Lisa.

Finalmente, a fundação lembrou que Leonardo fez mais de uma versão de vários de seus quadros, e citou, entre outros, o caso da "Virgem das Rochas".

Todas estas provas foram compiladas em um livro de 320 páginas que também foi apresentado hoje e com o qual a fundação defenderá sua obra, que não foi avaliada porque "aparentemente" não há indícios de que o consórcio que a possui queira vendê-la.

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo