Entretenimento

Cairo islâmico ganha brilho em sua rua mais espetacular

André Muzell e Alex Palarea/AgNews
Juliana Paes e Carol Trentini participam do "Fashion's Night Out" Imagem: André Muzell e Alex Palarea/AgNews

13/09/2012 00h02

Belém Delgado.

Cairo, 13 set (EFE).- A rua de Al Moez do Cairo é mais do que uma via cheia de vitrines de joias, antiguidades e narguilés: trata-se de uma janela do rico legado histórico do bairro islâmico da cidade, que agora volta a brilhar com seu próprio jogo de luzes.

Embora não seja promovida ao nível das maravilhas como as Pirâmides e o tesouro de Tutancâmon, Al Moez é uma das vias antigas da cidade egípcia que melhor conserva sua essência, apesar do caos, do barulho e da poluição que a acompanham.

Os últimos trabalhos de iluminação e restauração, que custaram cerca de US$ 2,5 milhões e foram apresentados nesta semana, pretendem reabilitar a região e aumentar a atração turística durante a noite, disse à Agência Efe o secretário-geral do Conselho Superior de Antiguidades do Egito, Mustafa Amin.

"Colocamos luzes e as fixamos em lojas e casas que dão para a rua para que o povo não pense só em viver aqui ou ter um negócio, mas também entenda que é sua responsabilidade receber bem os estrangeiros", afirmou Amin.

Desta forma, disse, o visitante poderá apreciar a qualquer hora os elementos das fachadas e os monumentos no quilômetro de comprimento que tem a rua.

Seu nome completo, Al Moez Ledin Alá al Fatimi, corresponde ao do quarto califa fatímida e ao primeiro que governou o Egito no século X, fazendo do Cairo a capital de seus domínios.

Outros povos também deixaram sua marca: tal foi o caso da influência dos mamelucos (1250-1517) no palácio Barquq e no complexo de mausoléu e escola de Nasser Ibn Qalawon.

Além de mesquitas como a deslumbrante Al Hakim e a de Al Aqmar, no entorno existem construções singulares como a Casa Al Suheimi e os chamados complexos "sabil-kuttab" (fonte e escola, planejados para proporcionar água aos sedentos e educação religiosa aos "ignorantes").

Os arquitetos não desperdiçaram a chance de revestir suas obras com luxuosos mármores, azulejos, madeira e com metais como o cobre.

Até hoje existe a tradição dos artesãos que trabalham o cobre, que durante longo tempo foram a marca da rua.

Agora compartilham suas oficinas com joalherias, lojas de especiarias e objetos decorativos, entre outros.

"Há muitos tempo que trabalham em diferentes setores, mas eu me especializei nos metais antigos e no cobre", afirmou o dono de antiquário Ahmed Youssef, que herdou de seu pai a loja fundada há meio século.

Esses negócios, passados normalmente de geração em geração, sobrevivem apesar da queda do turismo e da deterioração que sofreu a região após a revolução que derrubou Hosni Mubarak do poder em 2011.

Moradores e trabalhadores como Walid Dardiri, vendedor de lâmpadas, lamentam que os veículos continuem passando pela rua de pedra, congestionando-a e incomodando os transeuntes.

"A rua deveria ser para passear, para os turistas; por isso queremos fechá-la para o trânsito", aponta Dardiri, que não esconde o seu apego ao bairro.

O vendedor de joias Mustafa Mohammed lembra com nostalgia dos dias nos quais - segundo disse - havia "silêncio" e não existia "tanta concorrência desleal" entre companheiros.

E, embora não tenha vivido nessa época, também se lembra de como no passado as portas da parte antiga se fechavam e só os moradores ficavam em seu interior.

Coroada no alto pelas portas de estilo medieval Al Futuh e Zuweila, a rua Al Moez inspira esse tipo de pensamentos e dá asas à imaginação sobre essa época complexa da história egípcia.

Os novos no lugar também ficam maravilhados sob o feitiço de suas luzes.

"É a primeira vez que a visito e me parece muito histórica e limpa, comparada com as demais ruas egípcias. Não sei por que, mas o ambiente é mágico e pacífico", destaca Ayah el Adi, um estudante de Alexandria com curiosidade pela vida do Cairo islâmico.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo