Entretenimento

30ª Bienal de São Paulo aborda vínculo entre criador e sua obra

Leonardo Souza / UOL
Obra do artista Cadu, que estará exposta na 30ª Bienal de São Paulo Imagem: Leonardo Souza / UOL

De São Paulo

06/09/2012 19h03

A 30ª edição da Bienal de São Paulo abrirá suas portas nesta sexta-feira, propondo o protagonismo das obras e de seus criadores, com 3 mil peças que sugerem o diálogo e o debate sobre a função da arte.

Sob o título "A iminência das poéticas", 111 artistas, boa parte deles da América Latina, compõem o universo da Bienal, que ficará aberta ao público até o dia 9 de dezembro.

A equipe de curadores, liderada pelo venezuelano Luis Pérez-Oramas, trabalhou o conceito de iminência, entendido como o que pode acontecer a qualquer momento, mas também como o discurso do poder comunicativo da arte.

Metade das peças em exibição foram criadas para o evento, que além de ocupar o pavilhão da Bienal projetado por Oscar Niemeyer no Parque do Ibirapuera, se estende por outros espaços da metrópole como o Museu da Cidade, o Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp) e o Instituto Tomie Ohtake.

Com um orçamento de R$ 22,4 milhões, 20% menor que o da edição de 2010, a Bienal deste ano se concentra na arte e abandona o tom polêmico da última edição.

Na ocasião, um grupo de ativistas vandalizou a obra "Bandeira Branca" do artista plástico Nuno Ramos, que apresentava três grandes blocos de concreto envolvidos por enormes telas, nas quais três abutres vivos permaneciam enjaulados.

Embora as aves tivessem de espaço suficiente para voar, os ativistas cortaram uma das telas e fizeram pichações exigindo a libertação dos animais.

Pouco depois, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) pediu a retirada das aves, apesar de terem autorizado a utilização dos animais anteriormente.

Outra obra que gerou forte repercussão foi a coleção "Inimigos", de Gil Vicente. O trabalho consistia em uma série de pinturas nas quais o artista se representava assassinando diferentes personalidades, como o então presidente Lula.

Afastando-se das polêmicas, Pérez-Oramas declarou na apresentação à imprensa na última segunda-feira que esta é "uma bienal para a ressonância das obras e de seus artistas" e garantiu que se trata de uma edição "inteligente, não bombástica".


30ª Bienal de São Paulo - "A iminência das Poéticas"

Onde: Pavilhão Ciccillo Matarazzo, no Parque do Ibirapuera
Quando: de 7 de setembro a 9 de dezembro, de terças, quintas, sábados e domingos (9h às 19h); quartas e sextas (9h às 22h)
Entrada: gratuita com vans saindo para o metrô Ana Rosa de 15 em 15 minutos. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo