Entretenimento

Intervenção urbana resgata estátuas esquecidas com coração vermelho "do amor"

15/05/2012 12h25

Manuel Pérez Bella.

Rio de Janeiro, 15 mai (EFE).- Dezenas de estátuas espalhadas por inúmeras cidades brasileiras voltaram a ganhar destaque graças a uma iniciativa popular que se disseminou na internet, a qual estimula pessoas anônimas a colocarem um coração vermelho nos monumentos públicos em uma provocativa homenagem ao amor.

Os corações vermelhos brotaram do peito de incontáveis estátuas em capitais como São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte (Minas Gerais), além de algumas cidades do sul do país, em uma campanha que, segundo seus organizadores, pretende ser uma provocativa "intervenção urbana" para "lembrar que o amor ainda existe".

O grupo anônimo que iniciou a campanha, chamada "Aqui bate um coração", também afirma em um manifesto no Facebook que objetivo do projeto é "fazer alguém sorrir" e "tirar às pessoas dos lugares comuns".

A campanha começou em março em São Paulo e agora ganhou força no Rio de Janeiro, onde já implantaram um coração vermelho na estátua de Gandhi, no centro da cidade, e na do poeta Carlos Drummond de Andrade, situada um banco na orla da praia de Copacabana.

Uma das imagens mais chamativas do "Aqui bate um Coração" é a da estatua de um desconhecido soldado da Segunda Guerra Mundial, que se encontra na Avenida Álvares Cabral, de Belo Horizonte. Nesta, o coração vermelho entra em contraste com sua pose de ataque, com direito a fuzil nas mãos.

A iniciativa também não passou despercebida pelos jornais, que chegaram a estampar as fotos de algumas estátuas em suas capas.

Os organizadores do projeto de intervenção urbana desejam que a ideia se estenda por todo o país e, para contribuir com isso, publicaram um manual de instruções para elaborar os corações de espuma de polietileno.

O manual, que também traz dicas de como colocar os corações sem causar danos nos monumentos, assinala que o melhor horário para realizar a ação é durante a noite, já que a ideia é surpreender a cidade ao amanhecer e evitar uma possível repressão policial.

Na última semana, três jovens foram detidos quando tentavam pôr um coração na estátua equestre do imperador Dom Pedro I, situada na Praça Tiradentes. Segundo a imprensa local, a polícia pensou que se tratava de um ato de vandalismo.

"Cuidado para essa intervenção não se tornar uma coisa megalomaníaca e sem essência", assinala o manifesto na internet, que também ressalta que o movimento "não é um flashmob".

"Flashmob" é uma espécie de reunião instantânea organizada por um grupo de pessoas para realizar um ato inusitado que cause surpresa aos pedestres. Geralmente, essas ações ocupam apenas espaços públicos e não são tidas como manifestações políticas.

A iniciativa dos corações tem aspirações muito mais profundas e elevadas, como "despertar sorrisos", "dar um respiro" no meio do caos das cidades e, certamente, incentivar "o amor".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo