Entretenimento

Segredos de grupo político argentino "La Cámpora" são revelados em livro

22/04/2012 10h12

Maricel Seeger.

Buenos Aires, 22 abr (EFE).- O grupo político "La Cámpora", liderado pelo filho da presidente argentina Cristina Kirchner, Maximo Kirchner, e formado por jovens que apóiam o governo, será tema de um novo livro que foi lançado no país neste sábado na Feira Internacional do Livro de Buenos Aires.

"La Cámpora, historia secreta de los herederos de Néstor y Cristina Kirchner" ("La Cámpora, história secreta dos herdeiros de Néstor e Cristina Kirchner", em tradução livre) mostra diversas características da organização, como a popularidade do grupo no país e o controle de grandes recursos. Da mesma forma, é evidenciado seu protagonismo no governo argentino.

Integrado em sua maioria por jovens militantes, o espaço político conta entre seus membros com o vice-ministro de Economia, Axel Kicillof, encarregado do projeto governamental de desapropriação de 51% das ações da companhia petrolífera argentina YPF que pertencem à espanhola Repsol.

O grupo ocupa ainda dez cadeiras na Câmara dos Deputados, vários espaços no Legislativo da capital argentina e diversos postos no governo, afirmou à Agência Efe a autora do livro, a jornalista Laura Di Marco.

Mariano Recalde, o presidente da Aerolíneas Argentinas, maior companhia aérea do país, desapropriada da espanhola Marsans e controlada pelo Estado, é membro de "La Cámpora".

Além dele, integrantes da Administração Nacional de Seguridade Social (Anses) também compõem o grupo. Segundo Laura, recursos dessa última instituição "foram muito utilizados na campanha" das eleições de 2011, quando Cristina foi reeleita com 54% dos votos.

"Trata-se de uma militância rentável que no ano passado incorporou entre sete e oito mil empregados no Estado. É um agrupamento que cresce a partir do governo", explicou.

Laura destaca ainda que a organização não fala com os meios de comunicação, uma contradição, já que defende a democracia.

O livro também comenta que o grupo exibe "grande tolerância a atos de corrupção" e não aceita "dissidências" com o Executivo.

O falecido ex-presidente Néstor Kirchner (2003-2007), marido de Cristina, foi o impulsionador do espaço, mantido pelos líderes de militantes de partidos tradicionais, filhos de desaparecidos durante a ditadura que se destacam em organizações humanitárias e jovens acadêmicos de esquerda, como é o caso de Kicillof.

"O vice-ministro, que em um primeiro momento pensou que Kirchner era a continuidade do modelo neoliberal, é o novo cérebro econômico do governo. A presidente o consulta muito", comentou Laura, ressaltando a escalada do economista no grupo após a morte do ex-presidente em outubro de 2010.

Porém, foi seu filho, Máximo, que assumiu a liderança do grupo após a morte de seu pai. "Máximo faz parte da saga familiar do peronismo. Tem muita influência no dia a dia da organização. E a presidente conversa sobre muitos temas com ele", disse Laura.

A pesquisa da jornalista sofreu retaliações e teve dificuldade em conseguir entrevistas com dirigentes do agrupamento. No entanto, a autora falou com vários membros que não quiseram se identificar, entre eles com o ex-subsecretario de Comércio Exterior Ivan Heyn, que foi encontrado morto em dezembro passado em um hotel de Montevidéu, durante uma viagem para participar de uma Cúpula do Mercosul.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Mais Entretenimento

Topo