Entretenimento

São liberados pagando fiança os 5 detidos pelo caso "The News of the World"

29/01/2012 09h25

Londres, 29 jan (EFE).- Os quatro jornalistas funcionários e ex-funcionários do tabloide "The Sun" e o agente detidos pela relação com o caso de escutas ilegais do "The News of the World" foram liberados mediante pagamento de fiança, informou neste domingo a Scotland Yard.

As detenções dos cinco homens, com idades entre 29 e 56 anos, foram realizadas no sábado em diferentes domicílios de Londres e de Essex, pela investigação de envolvimento nos supostos subornos pagos por repórteres a agentes.

Os cinco foram postos em liberdade pagando uma fiança e aguardam novas investigações, segundo afirmou um porta-voz policial.

O agente, de 29 anos e que trabalha em um departamento de vigilância territorial da Polícia Metropolitana, foi detido quando estava em serviço em uma delegacia policial de Londres.

Sua detenção aconteceu sob a suspeita de "corrupção, má conduta no exercício da profissão em uma repartição pública e conspiração". Trata-se do segundo policial detido em serviço como parte dessa operação depois da detenção no mês passado de uma agente de 52 anos, que pagou fiança para ser liberada.

O restante são os ex-diretores do "The Sun" Fergus Shanahan e Graham Dudman, além do atual diretor Mike Sullivan e do chefe de informação, Chris Pharo.

Os funcionários e ex-funcionários do jornal sensacionalista foram liberados pagando fiança após terem sido interrogados como suspeitos de "corrupção, ajudar a instigar a má conduta em uma repartição pública e conspiração", disseram as fontes.

Já são 14 os presos dentro da chamada "Operação Elveden", que investiga possíveis subornos a agentes e se desenvolve de forma paralela à pesquisa policial sobre a espionagem jornalística do jornal britânico fechado em julho.

O juiz britânico Brian Leveson investiga atualmente a ética jornalística com relação às escutas ilegais que foram feitas durante anos pelo jornal "The News of the World", propriedade do magnata Rupert Murdoch, que interceptou telefones de ricos e famosos para obter informações exclusivas.

Em 2006 se tornou pública a espionagem jornalística, mas a investigação foi depois fechada pela Polícia, que retomou o caso em janeiro.

O escândalo foi agravado com a revelação de que foram feitas escutas em telefones de familiares de vítimas de crimes, terrorismo e soldados mortos em combate.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Entretenimento

Topo